Estilo de administração — parte 1

Fonte: Pixabay

De acordo com a teoria comportamental, existe em grande variedade de estilos de se administrar, que estão disponíveis para o administrador. Segundo Chiavenato (1999) a administração de uma organização está relacionado a forma de como os administradores se dirigem os comportamentos das pessoas. Ou seja, está ligado aos valores e convicções que os gestores tem relacionando ao comportamento, dessa forma molda a maneira de gerir as pessoas, de planejar e como se organiza para executar as atividades.

Douglas McGregor

O McGregor identificou a teoria X e teoria Y, a forma como um indivíduo interage com a outra no dia. O objetivo de McGregor não era criar uma conotação de valor, ou seja, bem ou mal, certo ou errado. E sim, conforme Siqueira (2016) o Douglas McGregor procurou estabelecer denominações neutras.

Teoria X

Segundo Chiavenato (1999) é a concepção tradicional da administração, em que se baseia em convicções incorretas sobre o comportamento humano, são elas:

a) O homem é indolente e preguiçoso por natureza, ou seja, procurar evitar o máximo possível o trabalho, e quando faz é com objetivo de troca de recompensas salariais;

b) Não gosta de assumir responsabilidades;

C) O homem é egocêntrico, ou seja, os objetivos pessoais sempre está acima dos objetivos da organização.

D) a natureza do homem é resistir as mudanças, pois está a procura de segurança e que prefere não assumir riscos para não ocorrer riscos;

E) a dependência faz com que o homem seja incapaz do autocontrole e autodisciplina

Por causa dessas convicções, a teoria X reflete uma administração mais duro, rígida e autocrático, limitando “as pessoas trabalharem dentro de esquemas e padrões previamente planejando e organizado, tendo em vista exclusivamente os objetivos da organização.” (CHIAVENATO, 1999)

Com isso a teoria X representa a administração científica de Taylor, a teoria clássica de Fayol e pela teoria da Burocracia de Weber.

“A teoria X leva as pessoas a fazerem exatamente aquilo que a organização pretende que elas façam, independentemente de suas opiniões ou objetivos pessoais. Toda vez que um administrador imponha arbitrariamente e de cima para baixo um esquema de trabalho e passe a controlar externamente o comportamento de trabalho de seus subordinados, ele está fazendo Teoria X.” (CHIAVENATO, 1999, p.291)

No próximo post irei fazer sobre a teoria Y.

Agradeço por ter lido aqui aqui. :)