Experimento 0.1

Estava bêbado, voltava com transporte público e sorria sozinho olhando pro reflexo no vidro. Os garotos ao redor riam dele, mais um bêbado no ônibus, coisa típica, comum, quase uma tradição na volta da escola a noite. No seu íntimo pensava no quão patéticos eles eram. Na intimidade pensavam no quão patéticos todos eram. Pensou então nas mentiras que o pantomineiro contou no teatro de sombras. Pensou por um instante ter visto ali, naquele mesmo lugar que ele estava fitando nervosamente a segundos, minutos, horas, dias, semanas, uma vida talvez? Onde estará o tempo? Mas ele viu, tinha certeza, ela estava ali! A verdade se contorcendo em volta de um sujeito falso e oculto, ocultado pelas sombras impostas pela luz da dissimulação de frases desconexas, disléxicas e de autoria psicopática Nada faz sentido sem a luz da razão, nada faz sentido sem as sombras no racio-símio. O anjo que cai sobre o ônibus não parece sammael nem gabriel ele ignora a lógica a razão a pontuação e o medo vindo das fossas marianas de cthullu nas ondas da trepadeira elefante viajando nos picos de acido doce.

O despertar é brutal. Salta como um jato de vômito ansioso & asqueroso em direção das tetas daquela moça ali a qual desconheço mas desejo embora tivesse desejado mais a amiga com nádegas redondas e boceta gorda. Polifonia cromática sons de Aronofsky e cores de Almodóvar mas não de Frida Kahlo embora nunca tenha me calado frente a injustiças não te disse sou marxista leninista trotskista stalinista lulista e hipocrático Nietzsche enlouqueceu Chatterton suicité Schumman fou à lier e eu não vou nada bem a cadencia vem acelerando daft punk is in my house o ritmo descontrolado a cabeça a beira da explosão o abismo me olha e agora sou o abismo?

O despertar é brutal, Jorge percebe isso quando se vê sozinho na casa imunda, a viagem terminou e Alice continua morta. No desespero encontra mais umas sementes, coloca-as na boca e se prepara pra ler o texto do dia: resume-se a uma única frase: Tinha um bêbado num ônibus. E ele ria sozinho.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.