E se eu mandasse nesse país, o que faria?

O que irei escrever a seguir pode ser meio obvio e clichê, porém é a minha opinião do que é necessário para o nosso país, o Brasil, se tornar um lugar melhor, atingir o potencial que temos como nação. Algumas coisas podem ter um efeito a curto prazo, contudo precisamos pensar mais a médio e longo prazo. Soluções que só visam resolver problemas imediatos nem sempre são o melhor a ser fazer. Talvez eu possa até estar errado em alguns aspectos por desconhecer todos os tramites existentes na política, contudo o que digo a seguir são as coisas que tentaria fazer fosse o governante do país com poderes absolutos, um exercício de criatividade da minha parte.

Resolver as questões do presente é necessário, mas fazer isso sem pensar no futuro não adiantará muito, pois os problemas resolvidos hoje poderão voltar amanhã.

Uma das primeiras coisas que precisamos resolver é uma reforma política de fato. Acho essencial mudar a distribuição do dinheiro entre os partidos, hoje a maior parte do fundo partidário é dividido de maneira proporcional entre os partidos políticos, quanto mais deputados e senadores mais dinheiro se recebe. Particularmente penso ser injusto esse sistema, o correto na minha concepção seria dividir o dinheiro igualmente entre todos e além de uma fiscalização bem rígida com o que fazem com esses valores ou até mesmo acabar com esse fundo partidário, mas sempre de olho nas contas desses partidos. Penso o mesmo em relação ao horário eleitoral, dividido também de acordo com a representatividade de cada partido no congresso. Todos precisam ter o mesmo tempo para expor seus ideais e suas propostas, se você tiver algo a dizer ganhará espaço, mas não tiver nada, só forem discursos vazios ou ataques a outras pessoas, o tempo mesmo se encarregará de sumir com aqueles que não tem nada a acrescentar e só estão ali para fazer volume.

Mudando essas regras eleições, convocaria uma nova votação para escolher novos deputados e senadores, mas teria mais regras, a primeira seria se a pessoa está sendo investigada ou processada por algo, qualquer coisa que seja, ela não poderá concorrer, ao invés de gastar tempo e dinheiro com a campanha gaste com a defesa, quando e se for inocentado poderá voltar a concorrer. Segundo ponto seria quem está a mais de dois mandatos seguidos no mesmo cargo não poderia concorrer à reeleição, os cargos do legislativo devem ser iguais aos do executivo, onde a pessoa só pode cumprir dois mandatos seguidos. Só com essas coisas acho que já teríamos uma grande renovação na câmara dos deputados e dos senadores. E depois estender essas regras para as esferas estaduais e municipais também. Precisamos de pessoas novas na políticas e não só no quesito idade, mas também pessoas que não estejam viciadas nesse grande jogo de esquema que a política se tornou, pessoas com ideias novas e diferentes. Um cargo político deveria ser tratado como uma profissão como qualquer outra, você é contratado por um prazo determinado para cumprir um serviço, terminou o tempo e o trabalho foi cumprido corretamente, você sai em busca de outras oportunidades e desafios.

Precisamos de outras reformas, entre elas as financeiras e tributárias. Não vejo o fato de pagamos altos impostos como o problema em si, a questão é como eles são administrados, hoje vemos pouco retorno do dinheiro que pagamos ao governo, então parte da reforma é criar ferramentas para monitorar de onde vem e para onde vai o dinheiro, buscando os vazamentos nos encanamentos desse sistema gigantesco e os consertando para assim melhorar o fluxo e direcionar corretamente os nossos recursos e quem sabe assim não conseguir uma redução de impostos. Fora também que é preciso cobrar quem deve ao governo, quanto dinheiro poderia ser arrecadado se fosse cobrado todos os impostos atrasados e multas aplicadas e nunca pagas? E não é dar anistia para quem deve não, é cobrar mesmo, se não pagar as empresas sofrerão sansões do governo e seus donos seriam até mesmo presos até o pagamento da dívida, talvez isso seja um pouco radical, mas as vezes é necessário tomar uma atitude mais drástica quando o problema é difícil.

E para compor os ministérios e gabinetes do governo o ideal é escolher pessoas capacitadas para administrar e que entendam dos setores que assumirem, não tem problema se os partidos indicarem candidatos, desde que esses tenham o currículo adequado para a vaga. Precisamos de bons administradores no governo, mas não é para cuidar igual a uma empresa, visando o maior lucro possível. Um bom administrador governamental é aquele que consegue oferecer o melhor serviço possível para a população em geral.

Ainda existe muita coisa a se melhorar, essas propostas seriam só o começo de uma grande série de mudanças que deveriam começar no topo do poder e depois ir para as esferas inferiores. Não é algo fácil fazer, mas possível, com muito trabalho, dedicação.

Ainda tenho outras ideias sobre esse assunto, coisas que ao meu ver deveriam ser feitas para tornar nosso país um lugar, mas vamos deixar isso para outro texto.