Aditrevni

De repente eles começaram a andar pelo labirinto de corredores internos da piramide … o que não poderiam imaginar era o que encontrariam em instantes.

Ao passar possivelmente na ultima saída do labirinto, uma grande câmara era revelada, bem maior do que se poderia esperar, na verdade a sensação era de que tal espaço simplesmente não caberia dentro da estrutura que outrora eles olharam de fora.

Essa grande sala, com pé direito altissimo, era dividida por um buraco, e em suas extremidades grandes mezaninos abrigavam camas, porém não eram camas comuns, e talvez o mais impressionamente, algumas delas não estavam vazias.

As camas tinham facilmente o dobro do tamanho de uma cama de casal convencional, com diversos lençóis, tecidos e travesseiros adornando sua superfície. Como era de se esperar, todos os bordados e até mesmo o estilo das camas e dos tecidos eram egipcios, mas havia algo terrivelmente estranho, era uma piramide com mais de 1000 anos, era impossivel que ninguem tivese encontrado essa sala.

Era loucura essa camara nunca ter sido mencionada em lugar nenhum. Foi então que eles notaram surpresos que algumas camas estavam ocupadas, pessoas simplesmente dormiam por lá.

Depois de um tempo congelados encarando a situação, resolveram se aproximar da beirada do mezanino, para isso tinham que passar pelo meio das camas, essas em particular não estavam ocupadas.

Enquanto caminhavam, perceberam a proporção real das camas, eles pareciam duas crianças ao lado delas. Isso disparou um estalo na cabeça de Jorge:

  • Meu deus, perceba que eles estão proporcionais nestas camas, Miriam, não são pessoas normais, eles devem ter pelo menos 4 metros de altura.

Miriam não ficou surpresa, desde de que entraram na piramide sua percepção sobre as coisas fora iludida diversas vezes, essa era apenas mais uma vez.

Enquanto ele observa de perto uma das camas, ela resolveu descer por uma pequena rampa, esse caminho dava acesso ao outro mezanino.

Ambos se moviam fria e calculadamente, totalmente sigilosos, não queriam acordar essas pessoas, na verdade nem sabiam se eram pessoas, porém com certeza eram figuras humanoides.

Miriam caminhava pela rampa e ao fundo escutava um som constante estranho, uma especie de grave, ela sentia mais a vibração em seu corpo do que o som em seus ouvidos.

Quando chegou do outro lado, deu de cara com uma das camas ocupadas, era bem estranho quando se chegava mais perto. Tinha realmente uma pessoa grande dormindo ali. Aparentava facilmente ser normal, a não ser pelo seu tamanho. Em comparação ela percebeu que o tamanho da cabeça era pelo menos do tamanho de seu tronco inteiro.

Ela tentou dar a volta na cama, queria ver o rosto de quem estava dormindo, mas para isso teria que se enfiar no meio, havia uma outra cama também ocupada. Com todo o cuidado ela resolveu se esgueirar até o outro lado.

Enquanto isso no outro mezanino, Jorge tinha acabado de dar falta de Miriam e olhava para os lados tentando encontra-la, quando viu ela perto das camas ocupadas, congelou como de costume.

Tinha alguma coisa estranha no rosto dessas pessoas, além de tatuagens egipcianas, sua formação óssea lembrava algum animal, agora ela podia olhar com riqueza de detalhes as duas pessoas, uma na cama a sua frente e outra atras dela. Inclusive ela sentia a respiração pesada na suas costas a todo momento.

Pareciam ter cabelo de longe, mas agora ela percebera que eram tatuagens menores e mais especificas. Tentou ler algumas e se arrependeu de não ter avisado Jorge, ele certamente iria conseguir entender algo, afinal era sua especialidade.

Enquanto ainda se esgueirava pelas camas, pisou em algo molhado, quando olhou para o chão viu rastros de água que vinham de algum lugar. Não só rastros, na verdade grandes pegadas, provavelmente dessas figuras enormes, principalmente a julgar pelo tamanho das pegadas.

Ela resolveu seguir esse rastro, era curto, dava de cara com uma abertura que ainda não tinha percebido ao fundo do mezanino, destemida simplesmente entrou nessa abertura e escutou barulho de água em movimento.

A figura alta e esguia, assim que se deu conta da presença de Mirian, rapidamente foi envolvida por uma especie de pele liquida, que envolveu seu corpo nu, e mudou sua forma geral, continuava do mesmo tamanho, mas agora ela era mais encorpada, seu seios não tinham mamilos, e todos os detalhes possiveis, como unhas, vagina, anus, olhos, boca, ouvidos simplesmente não existiam, ou foram tampados.

Nesse mesmo momento, enquanto esse ser foi revestido, Miriam sentiu seu corpo sendo envolvido. Uma sensação estranha, parecia que ela estava virando do avesso, isso ficou claro quando sua cabeça estralou fortemente, seu rosto simplesmente foi invertido, agora ela conseguia olhar para sua nuca que também estava invertida. A estranheza não era o fato de estar invertida e sim de perceber que ela era oca por dentro. Cade o cérebro, ossos e essas coisas?

Ela sentia que ainda tinha esses orgãos, mas eles estavam de alguma forma para fora, e o que estava fora agora estava para dentro, porem de alguma forma maluca, isso não era tão apavorante quando deveria.

Sentiu um pouco mais dessa pele gelada envolvendo-a, e agora sabia que tinha controle de seu corpo novamente, é claro que de forma invertida, mas sabia que pelo menos seu corpo havia sido envelopado por essa pele, e agora tinha certeza que seus órgãos simplesmente não estavam soltos para fora do corpo, estavam protegidos por essa outra camada de pele.

Diversos pensamentos começaram a inundar sua cabeça, lembraças passavam como um flash diante dos seus olhos. O problema era que essas lembraças são do futuro, Miriam se lembrava de algo que ainda não acontecerá.

Sua morte no futuro foi perto dos 82 anos de vida, todas as lembraças antes da morte voltavam para aquele ponto no tempo, para aquele momento especifico dentro da piramide. Agora ela sabia que deveria estar fazendo exatamente o que estava fazendo, iria continuar fazendo isso não por saber de seu destino, mas sim por querer viver exatamente o que havia vivido.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.