É perceptível e não tem como negar que a todo momento somos bombardeados com informações e dados de todos os tipos, mas parece imperceptível a quantidade de informações que deixamos “vazar” inconscientemente, quase como um ensaio de auto-exposição — e alta exposição — que fazemos todos os dias.

Seja em uma postagem em alguma rede social, seja em uma conversa com alguém através de um meio digital ou até mesmo nos padrões de navegação que realizamos diariamente, são informações que deixamos expostas consciente ou inconscientemente na internet.

Faça um teste. Procure pelo seu nome ou nome de amigos na barra de pesquisas do google. Tente fazer isso procurando por imagens. Eu mesmo me surpreendi com fotos que eu nem lembrava que tinha!

Informações que você pensa estar perdidas ou de difícil acesso, podem ser mais fácil de conseguir do que imaginamos. Muitas pesquisas comportamentais feitas na internet geralmente se utilizam desta vasta gama de informações que deixamos espalhadas pela rede, assunto esse, que foi abordado no filme “Ex-Machina: Instinto Artificial” onde o programador para fazer a inteligencia artificial de seus robôs, fez proveito dessas informações de comportamento humano.

Então levanto a reflexão: Será que o que expomos ao nosso respeito, sem nenhum tipo de proteção, encriptação ou qualquer tipo de segurança de compartilhamento, é realmente necessário? Estarei baixando a retaguarda ao deixar que tais informações vá para internet? Afinal, a internet é um cenário anárquico onde todo o mundo pode ter acesso.