A previsão dada pelo Porto Digital era passar apenas três meses em fase de teste e abrir ao público em março de 2015

Sistema de partilha de carro elétrico atrasa por falta de seguro

Lançado em dezembro de 2014, o sistema de partilha de carros elétricos do Recife ainda não será testado pelo público este mês. A previsão dada pelo Porto Digital era passar apenas três meses em fase de teste e abrir ao público em março de 2015. O atraso aconteceu por falta de seguro que contemple os veículos.

De acordo com a assessoria do Porto Digital, que comanda o Projeto Porto Leve, a liberação dos carros para uso da população está dependendo da contratação de um seguro especial. Por ser uma iniciativa pioneira no Brasil, a dificuldade estaria em encontrar propostas das seguradoras. O novo prazo divulgado é que em 30 dias a solução já esteja disponível.

A fase de teste começou no dia 12 de dezembro e apenas 20 pessoas podem testar e opinar sobre o funcionamento do sistema. Por enquanto apenas três carros deste tipo podem ser vistos circulando e são considerados pela Serttel, empresa pernambucana responsável pelo desenvolvimento e operação do projeto, como um protótipo do sistema que vai chegar à sociedade. Eles estão localizados em três diferentes pontos da cidade. O primeiro no edifício do Porto Digital, outro em frente ao Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R), ambos no Bairro do Recife, e o último na Rua do Lima, no bairro de Santo Amaro.

A velocidade máxima a ser percorrida é de 60 km e o veículo demora em média seis horas para completar uma carga. De acordo com os testes, é possível rodar até 113 km até apresentar a bateria reserva, em sinal que precisa energia. Quando estiver em funcionamento será necessário fazer um plano mensal no valor de R$ 30, que será debitado no cartão de crédito. Além disso, o usuário paga uma taxa de R$ 20 por uma corrida de 30 minutos. Caso o motorista ultrapasse esse tempo, será cobrado R$ 0,75 por minuto. O objetivo é oferecer mais uma alternativa de mobilidade ao Recife, seguindo o modelo dos bicicletários, já instalados na cidade.