Diários de um caçador

12 de Março de 2006,

O dia está claro, estou começando este novo diário pois o anterior ficou em pedaços depois da última incursão, eu sai juntamente á minha arma cedo pela manhã, deixando o acampamento, estava seguindo o rastro do que parecia ser um grande porco do mato, perdi o rastro dele perto do rio, então voltei para onde estava o meu acampamento e encontro tudo vasculhado, a barraca fora derrubada e marcas de garras se encontram por todo o lado, os meus suprimentos foram revirados, estou bem pois seja lá o que for não pegou a comida enlatada, mas o resto está uma bagunça, e os papéis que tinha comigo incluindo o meu mapa e o diários antigo foram rasgados, acho que vou jantar salsichas fervidas hoje, amanhã saio para uma nova caçada vou seguir o rastro do que passou pelo meu acampamento… talvez valha a pena eliminar a criatura.

13 de março de 2006,

Passei o dia hoje seguindo a trilha da criatura, e encontrei uma gruta, a quantidade de ossos no chão impressionava, certamente é o covil de um carnívoro, preciso ter cuidado, por hoje voltei, vou ajuntar equipamento e montar a armadilha, não vi sinais da criatura hoje, mas com certeza aquela gruta é o lar dela, tem água nas redondezas, e a poucos Kms de distância passa uma estrada… estou certo que encontrei o que procurava, preciso deixar tudo pronto, desmontarei o acampamento, pois vou embora assim que abater aquilo.

16 de março de 2006,

Após dois dias de tocaia pensei em desistir, me pareceu que a criatura não voltaria mais para a gruta, ou que talvez tivesse sentido o meu cheiro, mas eu estava enganado, ele estava só… caçando… quando o avistei ele arrastava o que sobrou do corpo de sua última vítima, foi engraçado ver aqueles All Star azuis e calça rasgada… me fez lembrar de Louise, da mania como ela defendia a durabilidade daqueles tênis, bom, a cara que o monstro fez quando caiu no buraco camuflado em frente a gruta quase me fez acreditar que havia se surpreendido, por segurança coloquei lanças no fundo do buraco, mas eu sabia que isso não ia mata-lo, mas as pontas de ferro fundido iriam causar algum atraso nas suas reações, e era só disso que eu precisava, de cima do meu esconderijo eu disparei, acertei a orelha do bicho, foi uma gritaria, o chão ficou manchado de vermelho perto da borda e ele tentava se içar para fora, disparei mais três vezes até que ele parou de se mover, ele estava vivo ainda e eu sabia, ele queria que eu me aproximasse e foi assim que fiz, chegando mais perto do buraco ele num ímpeto saltou pra fora do buraco e tentou me agarrar, eu esperava que fizesse isso, foi quando avancei com o garrote, lacei o pescoço dele e apertei com a maior força que pude, a criatura começou a se debater, e segurou a minha perna e apertou, apertou tanto que pensei que iria quebrar, mas não foi o caso, ele desmaiou antes, então com o facão arranquei sua cabeça e agora ele esta pendurado de cabeça pra baixo em sangria, vou tapar o buraco assim que a sangria terminar e enterrar ali as mão e pés dele, este Sasquatch não irá ferir mais ninguém, vou retirar o couro dele, pode não parecer a principio mas o pelo dele é macio e posso vender como se fossem duas peles de urso, talvez Louise tivesse gostado de um casaco de peles… mas tenho certeza que ela não iria querer saber pele do que se trata, dentro da gruta encontrei um monte de roupas rasgadas de suas vitimas anteriores, deixei os documentos mas peguei o dinheiro, vou precisar se quiser abastecer a caminhonete na volta pra casa, e os antigos donos não vão precisar mais… vou leva-lo pra casa congelar a carne e tratar a pele.

17 de março de 2006,

Finalmente cheguei em casa, deu trabalho traze-lo, a lona que eu tinha na caminhonete quase não deu pra cobri-lo, pensei em corta-lo, mas precisaria tirar a pele antes, consegui de algum jeito trazer, estou tirando a pele dele mas descobri que a carne dele não vai durar muito depois que terminar, paciência, vou conseguir um bom preço pela pele ao menos, notifiquei o local da caverna para a associação e eles vão fazer a limpeza.

========== # ========== # ==========

18 de Março de 2006,

A associação solicitou hoje o meu diário para ler, eu os avisei do que o sasquatch fez com ele, a assistente disse para manter uma cópia digital em casa para casos como esse, mas foi a única represália que recebi, eles me notificaram que fizeram a limpeza, de toda forma querem ver do mesmo modo, acho que querem o relato do caso do sasquatch.

20 de Março de 2006,

Recebi de volta hoje o meu diário, eles reclamaram que não descrevi como era o sasquacth, e que se eu não pusesse todas as informações sobre as criaturas que cacei não haveria sentido em manter um diário, e eu pensava que era apenas para que eles tivessem uma pista sobre o que acontecesse comigo caso eu desaparecesse na mata, e aparentemente eu tenho que reescreve-lo num arquivo virtual para referência da associação quando necessário, sendo assim eu terei que manter comigo uma cópia física onde eu escrevo durante as caçadas e depois repassar numa cópia virtual… talvez eles pensem que eu não tenho muito o que fazer da vida. Se Louise estivesse ao meu lado provavelmente ela me ajudaria, ela entendia dessas coisas melhor que eu, bom… ordens são ordens.

21 de março de 2006,

Depois de brigar um pouco com o computador consegui fazê-lo funcionar, então será neste aqui que eu manterei a cópia virtual, perguntei pra assistente como eu faria e ela me disse pra scanear, e passar pro computador, quase mando ela fazer no meu lugar, mas de alguma forma eu consegui, e estou aliviado só pelo fato de não ter que rescrever tudo de novo nessa tela, ela me dá dores de cabeça, bom agora vou descrever o Sasquatch, é um primata grande, por volta de 3 metros de altura e tem o corpo coberto de pelos, normalmente a pelagem é castanho, porém em minhas caçadas já encontrei com pelos brancos, cinzas e marrom escuro, tem braços longos e mãos fortes, são violentos e sabem usar ferramentas, eu jurava que eram carnívoros até ver um deles comendo frutas, portanto devem ser onívoros, gostam de viver em florestas e bosques, normalmente habitam cavernas não muito profundas pois não conseguem criar fogo, conseguem ver bem no escuro, e têm um apreço especial por carne humana, então não raramente são encontrados em florestas onde na região muitas pessoas desapareceram, eles atacam segurando e esmagando a cabeça com seu punho, porém são burros, armadilhas bem feitas os capturarão certamente, depois é só incapacita-lo e abate-lo.

========== # ========== # ==========

22 de março de 2006,

A semana foi tranquila, e consegui um bom preço pelas peles, mas hoje bem cedo recebi um telefonema da associação, aparentemente algumas pessoas desapareceram misteriosamente próximas ao lago de Tyron, minhas pesquisas dizem que aquela era uma área pouco visitada até construírem a estrada, aparentemente agora é um local para banhistas, mas as autoridades locais estão um pouco preocupadas, pois pelo menos uma dúzia de pessoas desapareceram num período de um mês, e agora o local está fechado, mas ainda existem campistas clandestinos que invadem a área, certamente jovens que anseiam por aventura e pelo proibido, mas que não sabem em que tipo de perigos estão se metendo… ao chegar aqui no lago entendi muito bem o porque queriam transformar este lugar num ponto de lazer, apesar de um pouco difícil de chegar, a lagoa contem uma praia de areia e cascalho e é particularmente bonita, a luz da lua brilhando sobre a água é um belo espetáculo, é um lugar bastante agradável, Louise teria gostado… procurei pela área por marcas de alguma fera, e não encontrei nada nas arvores, a vida silvestre aqui parece um tanto escassa… escassa demais, existe um predador na área, mas ainda não tenho pistas do que seja, porém imagino que seja um do tipo aquático, amanhã começarei uma pescaria despretensiosa vou conhecer o lugar mais a fundo.

23 de março de 2006,

A pescaria foi bem, na parte mais funda do lago existem alguns cardumes grandes de Corvina, Tilápia e próximo á vegetação pesquei Traíras, porém foi as Corvinas que me chamaram a atenção, elas estão em uma quantidade maior do que eu esperava, o que indica que o que está aqui não vem da água como havia imaginado anteriormente, vou procurar outros rastros deve haver alguma coisa que justifique o desaparecimento de tantas pessoas.

24 de março de 2006,

Não tive muita sorte procurando rastros hoje, pelo contrário quando estava assando os peixes fui deflagrado por um grupo de adolescentes que assim como eu estavam acampando perto da lagoa clandestinamente, tivemos uma conversa amigável com eles e lhes disse que estava aqui para pescar, afinal o lago era ótimo pra isso, eles pareceram animados com a ideia de pescaria, então me deixaram só novamente com meus peixes se desculpando pela intromissão, por precaução fui espiar onde eles haviam armado o acampamento, são 8 jovens, 4 casais, não me notaram e eu retornei ao meu acampamento, salguei os peixes e os deixei secando, ao menos assim terei comida pelo tempo que ficar aqui.

25 de março de 2006,

Vasculhei a mata mais uma vez e não encontrei nada nas redondezas, nenhuma marca, nenhum rastro de qualquer criatura perigosa, mas o lugar é silencioso, muito silencioso pro meu gosto, as únicas fontes de ruídos têm sido os adolescentes parece que ficarão o fim de semana inteiro, então ainda terei que ficar de olho neles amanhã também, civis sempre atrapalham em caçadas assim.

26 de março de 2006,

Malditas crianças, ficaram até tarde ontem com aquela musica barulhenta, se continuarem assim ou espantarão o que estou caçando ou vão acabar virando alvos, estou contente em saber que amanhã pela manhã estarão longe daqui, só vou precisar vigiá-los mais um dia. Vou chama-los para pescar comigo hoje, assim poderei manter meu olho neles tranquilamente sem levantar suspeitas estranhas.

27 de março de 2006,

Finalmente eles foram embora, foram apavorados, não estão acostumados a aparições como aquela da noite passada, a pescaria durante o dia foi boa e os ensinei a salgar e dissecar os peixes, e ainda bem que fiz isso, foi o que os salvou, o que faz as pessoas desaparecerem aqui é aparentemente o fantasma de uma garota, ela rodeou o acampamento deles a noite, mas o “circulo de sal” em volta do acampamento deles por conta dos peixes salgados secando impediu o fantasma de se aproximar mais, mas com certeza foi apavorante para eles, a julgar pela aparência deve ser o fantasma de uma afogada… afugentei-a ontem com disparos de sal mas preciso fazer com que ela descanse de vez, vai ser complicado, vou manter os peixes salgados onde estão hoje e mergulhar amanhã cedo no raiar do dia, devo ficar bem mas preciso encontrar os ossos da garota e queima-los assim ela poderá terminar a passagem.

28 de março de 2006,

A noite foi difícil, mas pelo menos passei em segurança, encontrei os ossos dela e os cremei antes do cair da noite, observar os ossos da garota queimando me fez pensar em Louise, como ela gostava de observar as chamas na lareira… aparentemente o fantasma foi liberto, passarei mais uma noite aqui para ter certeza, mas tive a impressão de sentir o espirito da garota se afastando enquanto seus ossos queimavam.

========== # ========== # ==========

29 de Março de 2006,

Fiquei mais uma noite no acampamento para ter certeza, e nada aconteceu estou levantando finalmente acampamento e indo embora, chegando em casa escrevo sobre aparições fantasmagóricas.

30 de Março de 2006,

Quase me esqueço de escrever, passei ontem o dia todo limpando os equipamentos depois de chegar, e hoje fui ao mercado comprar mais mantimentos, Aparições fantasmagóricas normalmente são espiritos de pessoas mortas que não conseguem fazer a passagem pro mundo dos mortos por algum motivo, de toda forma os espíritos estão ligados aos seus ossos, então se quer bani-lo de vez queime os ossos até eles virarem cinzas… e é por isso que quando morrer se eu não tiver sido devorado por favor me cremem, assim eu posso ir pro outro lado com certeza, outra forma de se livrar deles é cortar os laços que o prendem aqui, e eu não faço a mínima ideia de como se faz isso, alguns escritos antigos dizem que facas e outras lâminas quando atingem 200 anos conseguem cortar esses laços, mas eu já peguei uma faca velha uma vez e tudo que consegui cortar foi nada, por isso eu acredito que é balela, triturar e queimar os ossos é melhor, bom se conseguir conversar com a aparição talvez você possa entender o que a prende aqui e se solucionar o problema ele vai embora, círculos de sal ajudam a proteger, e tiros de sal afastam, símbolos sagrados também os afastam, embora alguns sejam resistentes, de toda forma use sal e queime os ossos que tudo estará bem.

========== # ========== # ==========

31 de março de 2006,

Estou hoje a pedido de um fazendeiro caçando a estranha criatura que vem devorar os animais da fazenda, a princípio pensei que teria que abater uma raposa, um lobo ou talvez um lince, quando eu cheguei aqui descobri que a coisa era bem diferente, os rastro da criatura são de um animal de grande porte, e o mais intrigante, a tela do galinheiro estava derretida, certamente é algo perigoso vou seguir os rastros pela manhã, hoje a noite está sem lua, e com algo que eu não sei bem o que é rondando livremente achei melhor rastrear de manhã, procura-lo nesta escuridão não me parece uma boa idéia.

1 de Abril de 2006,

Segui os rastros hoje, a criatura andava bastante, encontrei marcas de garras nas arvores, seja o que for é territorial, mas ainda não sei o que é, porém não é coisa boa o cheiro de enxofre está por todo lado, isso me preocupa, o terreno do fazendeiro é grande, e tem uma mata densa nas proximidades, ainda estou rastreando a criatura.

2 de Abril de 2006,

Avistei o hellhound, infelizmente era impossível pra mim pega-lo de surpresa, a minha sorte é que eu nunca saio de casa sem todas as armas, pois uma arma padrão não funcionaria, usei meu estilingue de sementes par tentar afastá-lo pois poderia ser perigoso enfrenta-lo sem armadilha, mas para minha surpresa as sementes começaram a pegar fogo, por um momento fiquei preocupado da mata em volta pegar fogo, o desgraçado já está na superfície a tempo demais, já conheceu outros caçadores, que os deuses cuidem de suas almas, ele avançou e pulou pra cima de mim enquanto eu buscava o amuleto na pochete, cai no chão sob ele, a dor nas costas foi agoniante, nesta investida ainda levei uma mordida no ombro, pelo menos não sangrou, os dentes dele estavam tão quentes que cauterizaram as feridas na hora, não aguentei a dor e gritei, naquele momento me senti impotente, tudo o que pude fazer foi chuta-lo, chutei com o máximo de ferocidade que podia, até conseguir tira-lo de cima de mim, me levantei e saí correndo, ele veio atrás de mim, e foi o tempo perfeito, a granada que coloquei, explodiu na hora certa, ele fugiu e eu vou pra casa, pelo menos era o plano, mas está escurecendo e eu não conseguirei chegar lá, por sorte consegui encontrar um velho depósito, acredito que tenha sido um celeiro a julgar pela palha querendo apodrecer pelos cantos, vou precisar de alguns analgésicos mas creio que ainda vou encontra-lo.

3 de Abril de 2006,

O dia hoje foi dolorido, meu ombro não está bom e ainda sinto dores nas costas, e pra completar o maldito me farejou e me perseguiu, ele está rondando lá fora, atirei nele com sal pela janela, mas não surtiu efeito, não consegui acertá-lo em cheio, ele continua arranhando as portas, tive que reforça-las por dentro com escoras de madeira, o lugar está ruindo, o bicho quase abre a porta agora com o peso, estou numa má situação, preciso pensar em algum plano pra sair daqui.

4 de Abril de 2006, manhã,

Esta noite pensei por um bom tempo em Louise, em tudo que não pude dizer a ela, é triste pensar que não se sobreviverá a uma caçada, me lembrei daquele fim de semana na piscina ao lado dela, foi tão divertido… e foi aí que Louise me salvou, me lembrei da fraqueza óbvia de um Hellhound como ele, Água, praguejei por um tempo não tendo lembrado daquilo, estamos próximos a um rio… se eu puder atrai-lo até lá, acho que vi uma escada em algum canto se eu abrir um buraco no teto consigo escapar, vou tentar atraí-lo até o rio e atirá-lo dentro da água, espero conseguir.

4 de Abril de 2006, noite,

Consegui abrir um buraco no teto com minha arma, voaram estilhaços de telha pra todo lado, e quase me acidentei ao subir na escada, ela era de madeira e a madeira estava meio podre, quando eu estava quase no topo o degrau se quebrou, o Hellhound conseguiu me farejar, e tudo o que fiz foi correr, corri em direção ao rio que eu tinha visto dois dias antes, porém eu não consegui chegar lá, o maldito pulou sobre mim e rolamos pelo chão, caímos na água onde o Hellhound se contorceu, e eu usando tudo o que restava das minhas forças o afoguei, e por fim ele virou um cachorro de pedra no fundo do rio, missão cumprida, vou pra casa estou cansado.

========== # ========== # ==========

5 de Abril de 2006,

Dormi demais ontem, e ao trocar as bandagens do meu ombro senti o cheiro de infecção, como era pouco depois do horário de almoço fui no hospital que a Associação disponibiliza para nós caçadores, creio que seria perturbador se eu aparecesse em um hospital comum com uma mordida de mais de um palmo no ombro, fui dirigindo minha caminhonete e percebi uma leve dificuldade em usar o braço esquerdo, lá no hospital Louise depois de analisar o ferimento o limpou e depois de aplicar uma pasta fez pontos nos ferimentos, devo confessar que sentir mais uma vez o delicado e gentil toque de Louise foi mais reconfortante que os analgésicos que recebi, ela parecia muito bem, estava bonita, o cabelo amarrado em um coque, o perfume suave como sempre, a saia social cinza com a camisa bege por baixo daquele avental caiu muito bem nela, mas ela estava sem os brincos, ela nunca gostou muito deles, sempre usou um simples ou nenhum, ela continua a mesma de sempre, e depois de me dar os antibióticos e anti-inflamatórios disse para que eu tomasse cuidado nas caçadas, Loise sempre foi assim calma, gentil e preocupada, ela não mudou em nada, mesmo depois daquele incidente ano passado.

6 de Abril de 2006,

Meu ombro parece melhor hoje, não dói mais tanto, ou me acostumei com a dor, enfim, vou fazer a descrição do Hellhounds, eles são cães grandes vindos do inferno, aparentemente sempre parecem apenas um cachorro grande, mas o cheiro de enxofre indica que veio do inferno, não sei se o inferno tem cheiro de enxofre, mas as criaturas de lá sempre exalam este odor, e eles podem ou não ter poderes sobrenaturais, o que eu enfrentei dois dias atrás era um com peculiaridades do magma, quente, pode derreter metal e outros objetos, como descobri, eles viram pedra de jogados em água, eu acredito que no caso daquele era por causa dele ser magma e resfriou na água do rio, por isso virou pedra, afora isso é sempre bom caça-los com armas “sagradas”, sementes servem para afugentá-los, ou prende-los, não sei bem ao certo o motivo, mas funciona, já ouvi relatos de que símbolos sagrados também funcionam, e que não é necessário que seja de uma religião específica só tem que ser sagrado, ligado ás divindades, porém é incomum vê-los sem estarem na presença de de seus mestres, o que me preocupa um pouco, o que fazia aquele Hellhound naquele local?, de toda forma destruí aquele, tem algo estranho acontecendo, mas não sei bem ao certo o que.

========== # ========= # ==========

7 de Abril de 2006,

Hoje vim caçar perto do monte de Gorvat ouvi falar de cervos gordos e saltitantes nestas colinas, quero ver se encontro um para um churrasco no domingo, vou convidar meus irmãos e uma bela carne de cervo iria muito bem com a cerveja, mas ainda não tive sorte, a colina está vazia, vou caçar na floresta nos arredores, fazendo o minimo de estardalhaço pois meu ombro ainda não está bom, como pensei que seria uma caçada simples e rápida não trouxe nada para acampar então vou dormir na caminhonete mesmo.

8 de abril de 2006,

Acordei de manhã e o meu ombro ardia como nunca, tive de usar morphina, passei o resto do dia com o ombro dormente, mas ao menos não senti mais nenhuma dor, consegui capturar dois cervos e uma capivara pequena, deixei sangrando lá trás, mas acho que foi muito esforço, vou dormir mais cedo hoje, sinto-me exausto, se Louise souber eu levarei uma bronca e tanto, mas antes de deitar vou ligar pra todos, espero que todos possam vir.

9 de abril de 2006,

Hoje foi um dia tranquilo, acordei ainda cansado, mas meu irmão mais novo Flint chegou bem cedo pra me ajudar a arrumar o quintal, eu estava tendo um pouco de problemas pra tirar a pele dos cervos, foi muito bom deixar isso com ele, enquanto eu arrumava a churrasqueira, George chegou com as bebidas, ele estava mancando da perna direita, e quando perguntei ele simplesmente deu de ombros e ignorou a pergunta, deve ter sido pego de jeito enquanto brincava com a sua presa, aquele maldito habito sádico dele ainda vai matá-lo, o pessoal da associação foi chegando pro churrasco, uns caras de pau do serviço de inteligência, mas eu não estava em condições de expulsá-los a tiros, mas não me faltou vontade, foi quando meu irmão mais velho Jones chegou, ele estava sujo de fuligem e a capa toda chamuscada, chegou parecendo cansado, o rifle dele estava torto mas ele parecia inteiro, quando chegou causou um pouco de aflição a princípio, e então mandei ele pro chuveiro, fazia tempo que eu não o via nem recebia noticias dele, foi bom o ver e saber que está vivo, mas então Louise chegou junto com o marido, ela estava linda naquele vestido florido, ela me cumprimentou trazendo uma salada de maionese e uma travessa de arroz reclamando que se ela não trouxesse provavelmente só teriam carne e cerveja no churrasco, não que ela estivesse errada, mas ela não precisava ser tão atenciosa, lembrou-me de antigamente, ela sempre foi assim, preocupada com todos os detalhes, porém foi incômodo ver ela com o marido, aquele almofadinha que só sabe falar de contas e números, mas é melhor assim, não quero que aquilo aconteça de novo.

10 de abril de 2006,

Depois do churrasco de ontem ainda ficamos bebendo e jogando cartas por muito tempo e eu sinceramente bebi demais ontem, consegui conversar um pouco com Louise antes dela ir embora quase á meia noite, depois disso, todos foram embora e eu fui dormir direto, acordei tarde hoje e fui no mercado, afora isso nada de diferente, meu braço parece dormente.

========== # ========== # ==========

11 de abril de 2006,

Fui hoje na associação pra verificar o ferimento no ombro e trocar as ataduras, mas quando cheguei lá estava uma bagunça, aparentemente as travas das jaulas no 3º subsolo deram problema, o que preocupava é que as criaturas que estavam contidas lá acabaram soltas, era perigoso, muitos animais selvagens e perigosas como cobras, escorpiões, goblins, entre dezenas de outras estavam soltas, ajudei como pude e por fim foi quase o dia todo pra conseguir capturar todas elas, houveram muitos feridos e envenenados por conta disso, achei melhor voltar em outro momento e por isso voltei pra casa.

12 de abril de 2006,

Visitei o prédio da associação hoje de novo e desta vez consegui ser atendido, recebi mais alguns anti-inflamatórios mas removeram as faixas, infelizmente Louise estava ocupada então tive que me contentar com a assistente dela Franciele mesmo, mas antes de voltar pra casa fui chamado á sala do supervisor geral Armstrong, lá fiquei sabendo que o incidente do dia anterior não havia sido acidental, provavelmente havia sido obra de algo ou alguém então ele me perguntou se eu tinha interesse na missão de investigação sobre o caso, eu aceitei a missão e voltei pra casa preciso preparar algumas coisas, amanhã volto lá pra verificar o sistema de segurança e descobrir alguma pista qualquer que seja.

13 de abril de 2006,

Hoje visitei o prédio da associação pelo visto não foi um incidente comum, o sistema acusou falha apenas no 3º subsolo, e sem explicação, quando visitei o 3º subsolo notei o suave cheiro de guano, é estranho que ninguém tenha reportado o cheiro, investiguei as fechaduras e elas estavam bem e respondendo normalmente, verifiquei a caixa de energia e ela estava uma bagunça como se tivesse pifado e derretido muita coisa, mas o cheiro de guano era especialmente forte ali, e depois de analisar bem notei que os circuitos foram aquecidos em pontos específicos, o curto foi proposital, e foi usado magia… magia humana… alguém fez isso, decidi pedir os videos da vigilância e estou com eles, vou ter muita coisa pra ver até ter mais alguma pista.

14 de abril de 2006,

passei o tempo todo desde ontem até agora a pouco todos os videos e ninguém suspeito se aproximou daquele andar ou mexeu na caixa de energia nos últimos 6 meses, pelo menos ninguém corpóreo, as gravações não são boas, então não dá pra notar coisas como indícios espirituais, ou de manipulação temporal ou espacial… o que me incomoda, mesmo pra fazer a magia a distância seria necessário no minimo preparar o terreno, mas nada disso ocorreu, ou faz muito tempo ou tem algum truque escondido que eu ainda não percebi, mas tem algo me incomodando… porque eles abriram as jaulas? capturamos todas as criaturas e nada foi roubada do prédio… nenhum dano grave apenas um grande tumulto, eu suspeito que fosse uma distração, amanhã cedo vou pedir pra vidente dar uma varredura pelas redondezas, algo não me parece muito bem, tem alguma coisa me escapando.

15 de abril de 2006,

Passei hoje o dia inteiro com Cecília, a vidente e no prédio nada de anormal, ela detectou rastros de magia no painel assim como eu pensava, mas pelo que ela disse foi algo feito de muito longe, mais longe do que ela poderia detectar, varremos as redondezas em busca de anomalias espirituais, mas nada tinha ocorrido, tudo parece normal, normal demais, não consegui nada hoje com Cecília.

16 de abril de 2006,

Hoje foi domingo de páscoa, quase me esqueço, se não fosse o noticiário matinal desejando feliz pascoa, por sorte eu já havia preparado os cartões e como seria um dia improdutivo passei na casa de Louise e deixei na caixa de correio o cartão e o chocolate pra ela e o marido, passei na casa de mais dois amigos e fui visitar meu irmão Flint, mamãe estava bem e adorou o bolo que levei, foi bom desanuviar um pouco, mas ao chegar em casa e me deparar com as caixas lotadas de fitas de segurança me trouxeram de volta ás preocupações.

17 de abril de 2006,

Voltei na associação hoje e pedi pro pessoal da inteligência olhar todas as ocorrências de crimes que aconteceram no dia 11 agora, e foi quando me disseram que não tinham nenhum registro, explicaram que como foi o dia do ataque os registros foram ignorados neste dia, isso me perturbou bastante, tudo indica que foi distração, pedi que fossem atrás do tempo perdido pois era importante, eles me prometeram que iriam, passei na enfermaria pra ver meu ombro e foi quando cheguei lá que Louise me disse que Jones estava internado ali, entrei no quarto dele e vi ele ligado nas maquinas, meu irmão mais velho não bobeava em serviço, algo grave aconteceu, e eu não soube dele desde o churrasco lá em casa, ele estava com aquele avental de hospital então perguntei onde estavam as roupas dele, Louise me disse que tiveram que ser cortadas para que ele pudesse ser atendido e que provavelmente seriam descartadas, ela não soube me dizer onde ele foi encontrado, inquiri Franciele sobre isso, mas ela também não sabia, fui pra recepção e lá me informaram que ele foi encontrado pelo vigia Joe naquela manhã na porta do prédio quando ele fazia a ronda, Joe só chega mais tarde, achei a mochila de meu irmão, vou vasculhar ela agora.

18 de abril de 2006,

Vasculhei a bolsa do meu irmão ontem e o diário dele não estava lá, algo muito preocupante, meu irmão é mais regrado que eu, ele não deixaria o diário dele em qualquer lugar, a não ser que fosse perigoso caminhar com ele, pensei que ele poderia ter deixado em casa pois sabia que a missão seria perigosa, quando falei com Joe ele me disse que encontrou meu irmão segurando com ataduras manchadas de sangue a cintura e estava desmaiado encostado junto a entrada, ele não sabia dizer com certeza desde quando ele estava ali, pedi que Joe verificasse a gravação da câmera da entrada enquanto eu procurava no lixo pelas roupas dele, as roupas estavam completamente ensanguentadas, e foi sorte eu ter pego-as antes delas irem para o incinerador, o cheiro de pólvora e óleo eram fortes apesar do sangue todo, ele deve ter tentado lutar com sua arma, mas a arma não estava com ele o que me diz que o rifle foi inútil, nas roupas vi restos de sal, não era algo sobrenatural que pudesse ser purificado, pois o sal não o protegeu, achei no bolso da calça dele uma caixa de fósforos, estava cheia, e um cartão de um motel do outro lado da cidade, mais nada, fui encontrar Joe e ele me mostrou o vídeo, ele chegou sosinho e cambaleando com a mochila pendendo do ombro, tentou abrir a porta e percebendo que estava trancada se encostou na porta e ficou imóvel até que Joe o encontrou e o pôs pra dentro, pouco depois chegaram alguns carros e Louise e alguns enfermeiros entraram, não precisava ver mais, não tinha muito a se ver depois disso, agradecia Joe e voltei pra casa Louise ja tinha ido embora, eu realmente agradeço por ela ter conseguido manter meu irmão vivo até agora. tive uma péssima noite e hoje cedo fui na casa de Jones, revirei todos os esconderijos e não achei o diário em lugar nenhum, isto foi muito estranho, só posso pensar que o diário foi tomado dele, pesquisei sobre o hotel e fui para lá, é a única pista que tenho do que aconteceu, pelo modo que ele foi ferido foi algum tipo de garra, não foi muito útil disparos normais, então afera ou tem regeneração ou não pode ser ferida por chumbo, não é algo que se pode purificar e se meu irmão não usou fogo ou não teve tempo ou não funcionaria, trouxe o lança chamas mas vou entrar no local armado com o facão de ferro e prata, cheguei no hotel e quando fui falar com o atendente ele me olhou desconfiado e perguntou se eu conhecia o outro cara que tinha vindo antes, disse que ele devia 50 “mangos” pra ele, paguei e entreguei mais 50 pra receber a mesma informação, ele me disse que os caras estranhos reservaram o quarto 107 por uma semana, esperei escurecer e fiquei de vigia, não me parece que houve algum movimento no quarto este tempo todo, vou invadir e que os deuses me protejam, vou com o facão de ferro e prata sementes, o amuleto de ossos e o maçarico, o ultimo apenas por precaução mas acredito que não será muito útil.