Neogênesis

Encaminhei um condenado à morte a sua cela. Não seria nada incomum para mim se não fosse pelo fato deste homem ter sido há muito tempo meu melhor amigo. Infelizmente, nossas escolhas nos trouxeram a este encontro. Eu, soldado da URA (União Resistente Americana) e ele, espião da oposição, viemos de mesmo berço, mas tivemos destinos diferentes. Por nossa antiga amizade, o mínimo que posso fazer é atender seu último pedido, transcrever o texto que compôs enquanto preso.

“Ah! Aquele meu tempo de criança
Em um mundo cheio de esperança
Que se acabou em meio à matança

Nunca me esquecerei daquele dia de outono, quando tudo começou. Estava na escola, em meio à aula, quando a professora, minha tia, caiu no chão tendo uma convulsão hemorrágica. O socorro não chegou mesmo com os gritos e choros das crianças, pois todas as pessoas com mais de trinta e três anos, assim como minha tia, estavam morrendo e os demais tentavam socorrê-las ou simplesmente choravam desesperados. Ao sairmos da sala, eu e Longino, meu melhor amigo, vimos adultos morrendo e inevitavelmente nos lembramos de nossos pais.

Peguei meu celular e liguei para minha mãe, ela e meu pai estavam vivos, socorrendo os funcionários da loja. A mãe de meu amigo, que trabalhava nessa loja, estava viva, mas seu pai não atendia o celular, pois também sofreu um ataque letal. Em março de 2015, cinco bilhões de pessoas morreram da misteriosa doença. Nessa época, eu, Roque de Monte Piller, tinha sete anos e morava em Taubaté, minha cidade natal. Vivi lá até 2021, quando me mudei para a recém-criada capital da URA, Arcádia. Mas, voltando ao início, tudo começou bem longe daqui, no Oriente Médio.

Por um longo tempo a paz dominou
Tédio de Ares ao extremo chegou
O tempo de guerras começou!

O Irã, país da atual União dos Países Médios, sempre manteve uma política conservadora em relação a seus costumes religiosos, assim também mantendo uma cultura antiocidental. Por isso, sempre esteve em conflito com os Estados Unidos da América e seus aliados. Havia certa cautela ocidental para que o Irã não desenvolvesse armas nucleares, sem saber que havia algo maior a temer. Em algum momento da primeira década do século XXI, um retrovírus desconhecido na época, o Invitavirus HDV-1, foi achado em forma cristalizada durante escavações para extração de petróleo.

Após diversos estudos, as supostas vacina e cura foram desenvolvidas, tornando o vírus uma arma biológica conhecida como Maldição Persa. Em 2015, terroristas iranianos utilizaram esta arma em ataques simultâneos em três países: Estados Unidos da América, Israel e Japão. Logo a doença saiu do controle e gerou a pandemia. A vacina e a cura foram inúteis, pois a mutação genética do vírus era incrivelmente rápida e o contágio, quase inevitável.

O HDV-1, quando se acopla a uma célula humana, libera seu RNA, misturando-o ao material genético humano. Durante esse processo, parte dos genes se altera e os telômeros, que são ligados ao tempo de vida biológica, são encurtados. Assim, as pessoas que já tem estes genes curtos (ou seja, pessoas com aproximadamente trinta e três anos ou mais) tiveram convulsões hemorrágicas e morreram em curtíssimo prazo. O resto da população humana, além de alguns animais, tiveram suas vidas encurtadas drasticamente. A doença também é hereditária; portanto, filhos de pessoas infectadas nascem com uma expectativa de vida menor.

A cura era algo quase impossível, uma vez que a variedade genética do vírus se tornou colossal. A causa de toda guerra atual é exatamente uma solução para evitar a extinção humana. As uniões continentais formadas pela ONU e outros países sem união (como a China) disputam uma corrida pela salvação. A URA obteve os primeiros resultados, frutos dos esforços intensivos de exímios geneticistas, os irmãos Makifer, Epimetheu e Prometheu. Eles demonstraram eficiência ao gerar resultados em pouco tempo, trazendo à vida as primeiras pessoas não-infectadas, através de processos artificiais e isolamento total.

Foram gerados cinco bebês não-infectados, nascidos em respectiva ordem: Abel, Davi, Ester, Verônica e Onã, os Imunes. Esta ‘imunidade’ era parcial, pois o contato com o vírus poderia gerar até mesmo morte instantânea a estas crianças. Neste período, houve um desentendimento de ideias entre os irmãos cientistas. Prometheu, o mais novo, queria que uma cura geral fosse feita com os genes das crianças, mas Epimetheu conseguiu convencer o resto da equipe de pesquisa e o governo a fazer um repovoamento mundial começando pelos Imunes.

Prometheu saiu do núcleo de pesquisas e levou a situação a público, recrutando pessoas que discordavam da situação para formar uma oposição. Em resposta, Epimetheu, com seu novo cargo político, alistou todos que concordassem lutar pelos propósitos governamentais em troca do recém-criado remédio para melhorar a longevidade. Na verdade, este remédio tinha inicialmente o propósito de evitar que os Imunes se infectassem, prendendo os vírus no organismo dos indivíduos infectados. O prolongamento de aproximadamente seis anos na expectativa de vida era praticamente um ‘efeito colateral’. Também fora iniciada aí a construção das grandes paredes que cercam Arcádia.

Para viver mais, entrei na batalha
Primeira vez passei a muralha
Por eles, Imunes, eu lá estava
E silenciosamente batalhava

Meses antes de ir para a capital, fui convidado pessoalmente a entrar para a oposição. Não me decidi quanto a isto naquela hora, então conversei com Longino, descobrindo que ele pretendia se alistar no exercito. Você acredita mesmo nesse papo do governo?! É só um meio de obter soldados de forma fácil, não é a solução, escolher isso é puro egoísmo! Ele não me escutou, estava decidido a se alistar quando completasse quinze anos. Pois bem, agora estou decidido, entrarei para a oposição! Com estas palavras, encerrou-se uma longa amizade.

O governo, sem saber de meu trabalho na oposição, ofereceu à minha família, provavelmente por nosso status econômico, moradia em Arcádia, com direito a alimentação e remédios gratuitos. Até pensei em recusar a entrada na cidade que fora construída em quatro anos apenas para abrigar os Imunes, mas aceitei e me tornei um espião infiltrado da oposição. Foram onze anos observando os Imunes e enviando relatórios secretos.

Durante uma madrugada fria, fui surpreendido por um invasor em minha casa, briguei com ele até que um segundo invasor apareceu parando a luta. Minha surpresa-mor foi ver que meu oponente era Abel, um dos Imunes, e a outro pessoa era Ísis, minha sobrinha! Ambos vieram à minha casa em meio ao toque de recolher para saber mais quanto aos Imunes. Contei-lhes a história quase por inteira e presenciei algo completamente inesperado, um Imune declarou que entraria para oposição! Logo apareceram soldados em minha casa à procura deles. Tomei uma decisão rápida, dei meu pacote emergencial e tive de servir como bode expiatório para fuga dos jovens. Fui preso, julgado e sentenciado à morte.

Refleti sobre minha vida inteira
Segunda vez passei a barreira
Eu nasci na paz, mas cresci na guerra
Minha vida agora se encerra”

Finalmente admito que fiz minha escolha errada, larguei minha única verdadeira amizade. Não posso mudar o passado, mas posso fazer um futuro diferente. Que eu possa dar sentido à morte daquele que foi meu amigo! Esta é minha nova escolha para um futuro melhor!