AS PESSOAS NÃO SABEM FALAR


Você já foi mal interpretado?


Não estou aqui para julgar a aplicação da gramática de alguém ou da regência verbal de um conhecido meu, longe disso, (até porque, vocês poderão encontrar nesse texto e nas minhas outras linhas, alguns deslises no nosso tão amado português).

O que venho observando de uns tempos pra cá, é que muitas pessoas não sabem usar o tom de voz correto em uma discussão e até mesmo em uma conversa casual.

Percebi também, que o trabalho é o habitat dessas pessoas, e algumas vezes pequenas tarefas simples de serem resolvidas, resultam em rixas e desentendimentos que poderiam ser evitados caso o interlocutor tivesse um maior domínio da comunicação.

Vou dar um exemplo. Alguém, chega até você e ao tentar passar um tom de urgência ou necessidade se perde em sua mensagem e (às vezes inconscientemente, às vezes não) aparenta estar te obrigando a fazer algo.

Você tem que fazer isso, AGORA!

Como consequência, (essa demonstração errônea de poder) pode gerar em quem ouviu tamanha expressão de ignorância, justamente o contrário da ação desejada com esse imediatismo.

O receptor se sente ofendido por estar sendo coagido a agir e manda um bem pensado, (mas quase nunca falado) FODA-SE! Não estou aqui para ouvir desaforo de ninguém.

Não estou nem aí.

Parece que quem consegue opinar ou fazer um pedido sem parecer um egoísta/autoritário é algo aparentemente em extinção.

Resumindo, a forma como repassamos uma mensagem influencia (e muito) as ações das pessoas, por isso, um cuidado especial deve ser dedicado para esse aspecto para que você não corra o risco de ser mal interpretado pelas pessoas a sua volta. Escolha corretamente suas palavras, maneire no tom, respire fundo e aí sim, fale.


Gostou do que leu? Então clique no botão Recommend aí embaixo ou compartilhe na sua rede social favorita. Fazendo isso, você vai ajudar muito esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Discorda ou concorda sobre algo que eu disse, deixa um comentário aí, vamos conversar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.