DESVANTAGENS, ISSO MESMO, DESVANTAGENS DO SERVIÇO PÚBLICO

Você gostaria de ser funcionário público? Tem certeza?

Primeiro de tudo gostaria de deixar claro que esse texto se trata apenas de algumas observações e constatações que alguém com 4 anos como funcionário público (vulgo eu) tem sobre o que é o seu ganha-pão. E como toda generelização tende a estar errada não é minha intenção expor uma paisagem geral, mesmo porque o serviço público é muito variado no que se refere a seus cargos e instituições e cada um possui características únicas que não podem ser aplicadas aqui. Aqui teremos apenas um pequeno recorte de uma experiência em um cargo de nível médio que ocupo aqui na minha cidade.

Concurseiros de plantão e entusiastas do funcionarismo público antes de começarem a jogar pedras em mim, saibam que pretendo fazer também um texto mostrando as vantagens posteriormente. Ser funcionário público é antes de tudo um emprego e como tal tem seus prós e contras (como qualquer coisa nesse mundo, não é mesmo?).

Tudo devidamente explicado, comecemos então:

A primeira desvantagem que eu consigo apontar são as tarefas repetitivas.

Desde o primeiro dia que entrei aqui até o exato momento dessa postagem meu trabalho está diretamente ligado com a alimentação de sistemas de informação, salvo alguns momentos de atendimento à população. (Passo meus dias digitando, digitando e quando penso que acabou, olha só, tem mais coisas a serem digitadas).

Digita, digita, digita…

Esse comportamento resulta na falta de incentivo à criatividade dos funcionários que ficam presos a tarefas repetitivas e monôtonas sem muito espaço para inovar. Ou seja, mesmo quando você pode desenvolver coisas boas, fazer mudanças, ser proativo, isso não é estimulado, conforme-se em realizar aquilo que foi determinado.

A segunda desvantagem encontra-se na querida (odiada) burocracia inerente as essas organizações.

Papéis e filas, filas e papéis

O modelo que veio para romper o antigo patrimonialismo do Estado e ajudou na organização e padronização de atividades também atrapalha, trava e alonga a execução de vários processos que seriam rapidamente desenvolvidas na esfera das organizações privadas.

Voltamos ao que foi citado anteriormente. Você analisou o processo e visualisou que com uma pequena modificação (A compra de um computador, por exemplo) haverá uma melhora significativa, porém, para isso ser implementado é necessário: fazer um ofício, mandar pro setor de compras, (torcer pra ser aprovado) aguardar sair uma licitação para compra de equipamentos, especificamente de informática, e só aí então realizar a modificação. (Nisso lá se vão meses).

A última e a que eu considero mais ofensiva é a acomodação.

Será que isso é o que eu quero fazer pro resto da vida?

Quando eu falo em acomodação, não estou falando em preguiça, mas, ao fato de que por não oferecer muitos meios de ascenção (você passou para aquele cargo e vai ficar lá, se assim você não se mexer). O indivíduo não se interessando para fazer cursos e qualificações, poucos aparecem em função do seu cargo.

Quando você passa a ter a garantia de que seu salário todo mês estará lá na conta independente do que você realize, atrelado ao fato de que depois do estágio probatório (geralmente de 3 anos), e que não é nenhum bicho de sete cabeças, não há avaliações inevitavelmente bate a sensação de estabilidade o que acaba transformando-se na apatia.

Cabe então a nós, servidores buscar se preparar, seja através de preparar-se para fazer um próximo concurso ou então investir em você e no cargo que você conquistou.

Enfim, como falei, isso é uma opinião e futuramente escreverei um texto falando sobre as coisas boas que eu considero em trabalhar no serviço público. Por que há varios pontos positivos que pretendo listar aqui. PORTANTO, LEIAM, OPINEM E AGUARDEM O PRÓXIMO TEXTO.


Gostou do que leu? Então clique no botão Recommend aí embaixo ou compartilhe na sua rede social favorita. Fazendo isso, você vai ajudar muito esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Discorda ou concorda sobre algo que eu disse, deixa um comentário aí, vamos conversar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.