VOCÊ PRECISA VER KINGSMAN— Serviço secreto.


Você gosta de filmes de espião?

Caso a resposta seja sim, você tem que ver Kingsman. Se sua resposta foi não… bem, você tem ver Kingsman. Provavelmente você irá mudar de ideia.

O filme que estreou esse ano (2015), me surpreendeu bastante ao trazer comédia, espionagem e muita ação, em cenas bem filmadas e efeitos especiais muito bons (como eu queria ter visto ele no cinema). Enfim, vamos falar do que me chamou a atenção no filme (sem spoilers).

O título faz referência a uma agência de espiões que, por séculos, salva o mundo das mãos das mais variadas ameaças. Utilizando os princípios da távula redonda (manja rei Arthur) para treinar e organizar seus cavaleiros, digo seus agentes secretos, Kigsman é um grupo de espiões bem treinados prontos para agir nas mais variadas situações. Tudo isso utilizando um terno e sem despentear o cabelo, um verdadeiro gentleman inglês.

Os codinomes dos agentes são tirados dos cavaleiros do rei Arthur

A história gira em torno do desacreditado Eggsy (Taron David Egerton), que é convidado a participar de um treinamento para escolher o novo ‘Lancelot’ que integrará o seleto grupo da Kingsman. Tudo dentro da conformidade do tema.

Porém, a maestria do filme encontra-se na forma como a temática espionagem é retratada. Aproveitando-se muito bem de “clichês” dos filmes, Kingsman utiliza a paródia para brincar e referenciar (direta ou indiretamente) outras franquias como 007 e Identidade Bourne. Chega a ser uma homenagem.

A utilização do esteriótipo do vilão perturbado que possui um plano de destruição mundial, do espião galã (Colin Firth) e dos gadgets metamórficos característicos desse gênero é uma das características do filme, mas ao mesmo tempo, padrões são quebrados. O bandido não prende o mocinho, conta seu plano e tenta matá-lo da forma mais ineficaz possível para que ele consiga fugir e desmantelar o evil plan apertando apenas um botão, por exemplo (Ops! É sem spoiler né?).

Para você ter uma ideia o antagonista, Richmond Valentine, muito bem interpretado por Samuel L. Jackson é um cara que não pode ver sangue (como assim?).

O outro ponto alto do filme são as cenas de ação. Com efeitos desenvolvidos de forma primorosa que empolgam o espectador, dá gosto de ver as cenas de luta e tiroteio, que à princípio podem parecer um pouco exageradas mas que se encaixam bem com o enredo e na proposta.

O diretor (Matthew Vaughn) faz uso de handycams que dão um dinamismo às filmagens e os cortes rápidos não atrapalham quem está assistindo, de entender a cena.

Portanto, fica aqui minha indicação de um filme divertido e que, na minha opinião, merece ser visto. Vale ressaltar que Kingsman foi adaptado de uma HQ de mesmo nome, (vou procurar pra ler posteriormente).


Gostou do que leu? Então clique no botão Recommend aí embaixo ou compartilhe na sua rede social favorita. Fazendo isso, você vai ajudar muito esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Discorda ou concorda sobre algo que eu disse, deixa um comentário aí, vamos conversar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.