O poder de sair de onde está e viajar

Faz tempo que eu não escrevo nada que me desse prazer e não é por que não consigo produzir um texto e sim por que muita coisa me consome o tempo e acabo não sentando, refletindo sobre o que conheço e vivi e coloco no papel (ou na internet).

Enquanto digito essas linhas não faz nem uma hora que voltei de Socorro-SP, fazia quase dois meses que não via minha mãe e meu irmão de 8 anos.

Aproveitei o feriado de aniversário de São Bernardo do Campo e fui viajar. Sai de São Paulo (Terminal Tietê) umas 10 da manhã, um dia antes tinha participado de um workshop e emendei para ver uma palestra no Itaú Cultural (coisa voltada para a minha área), acabei dormindo na casa de um grande amigo de São Paulo para poder viajar cedo.

Não vou estender muito esse texto sobre como foi a ida da minha viagem (farei isso num próximo) mas a grana que estava no bolso só dava pra chegar até Bragança Paulista, bem, foi o que eu fiz.

De lá tentei pegar carona para Socorro (sem sucesso), contudo um casal de senhores que iam tomar um ônibus que passaria por Socorro pagaram minha passagem.

Fomos conversando sobre a vida, sobre o tempo, sobre as cidades que iam passando, sobre muitas coisas.

Passei cerca de três dias em Socorro e sempre que estou lá e vejo como o ritmo da cidade é totalmente diferente do que vivo em São Bernardo. As pessoas estão falando sobre a novela, o gado que anda mal, as reformas que o prefeito está fazendo na cidade, de ir na casa de amigos e parentes, de visitar alguém no “sítio” e que não chove há alguns dias.

Sem falar dos amigos que estão cheio de saudades e com histórias para te contar. Sempre que viajo para esse lugar me motiva muito a continuar fazendo as minhas coisas, pois querendo ou não é quase que um privilégio “sair” de Socorro e fazer faculdade fora independente se sou bolsista ProUni ou não.

Vir estudar Rádio, TV e Internet na Universidade Metodista foi uma viajem para mim na época, uma longa viajem que ainda está acontecendo, conheci boas pessoas, bons professores, parceirxs para projetos e fiz grandes amigos para a vida.

Na época que ingressei na faculdade todo o horizonte estava se abrindo para mim e hoje quando volto para Socorro, percebo muitas coisas simples que estão a muitos quilômetros de um grande centro urbano, sinto que esse horizonte só se amplia com o resgate de valores.

Viaje, conheça lugares e pessoas, saia de onde está mesmo que seja só a passeio, é bom para organizar as ideias e se tornar menos preconceituoso com uma cultura e um ritmo de vida que não está acostumado, além de ter boas histórias para contar depois.

Depois que li esse texto do Ricardo Cestari Jr fiquei muito inspirado a voltar a escrever, aguardem.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.