Superando parte da crise dos 20 e poucos

Quando eu tinha 17 anos eu decidi uma coisa muito importante na minha vida, que era fazer faculdade de Rádio e TV. Passei a vida estudando em escola pública e dos 13 aos 17 foi numa escola do interior do estado de São Paulo. Sempre me diziam que é bom ter certeza do que você quer logo cedo.

Quando ingressei na faculdade em 2012 tinha 18 anos e iria fazer 19 no próximo mês de abril, o ano anterior tinha sido o gap do cursinho pré vestibular.

E entre os 17 e o começo dos 20 vivi duma maneira bem previsível, sai aparentemente da casa dos meus pais e estava estudando algo que gostava, conheci a pessoa que para aquela época seria o amor da minha vida (a gente se falava um bocado pela internet e chegamos a trocar cartas também).

Ensaio fotográfico que compunha o P.I. do 2º Semestre. Eu sou o cara da direita que está sendo enquadrado

A faculdade desde o começo ela começava a pesar aos poucos, a ordem de Projetos Integrados foi essa: Foto Documentário, Rádio Documentário, Blog, Web Série. Cada projeto integrado custava um pouco mais de mim em termos de responsabilidade.

Com 21 anos perdi meu pai para algumas complicações do câncer que ele estava tendo, foi no dia da entrega do meu Projeto Integrado que naquele semestre era uma proposta de Programa de TV gravado.

Pós show do Cícero no Cine Joia em 2014. Conheci bons amigos nesse rolê ❤

Muita coisa já aconteceu comigo no período que compõe a faculdade: já tive grana, fiquei quebrado de grana, tive problemas com cartão de crédito e mais de uma vez, já morei longe da faculdade e tinha que acordar 5 da manhã (hoje moro perto, bem melhor), fiquei várias semanas seguidas sem ver meus pais, perdi contatos com alguns amigos, recuperei contatos com alguns amigos, me afastei de gente que sentia que não me adicionava em nada, já passei vários dias faminto com a grana contada até chegar o dia do próximo pagamento, já tive férias e viagens incríveis, me diverti imensamente em bons rolês com gente que tinha acabado de conhecer, já tive medo de assumir meus sentimentos e já dei muita desculpa para justificar atos que eram de minha total responsabilidade.

Hoje tenho 22 anos e sinto que o mundo, seus pais, seu chefe, seus amigos e parte da sociedade joga uma carga de responsabilidade nas suas costas para ver até aonde você vai e o que você consegue fazer com isso.

Problema a gente sempre vai ter e fugir deles não resolve nada, você só vai continuar sendo aos olhos das pessoas mais velhas um moleque que só quer aproveitar a vida e o seu rolê, que não quer amadurecer.

Amadurecer é bom, ter uma independência de vida e financeira é ainda melhor, mas isso não significa que por estarmos mais velhos vamos apenas ficar preocupado com números. Os 20 e poucos é uma época boa para balancear muita coisa em sua vida e ganhar bagagem, referência, repertório e expandir as ideias.

Desprodução do programa infantil Doozie Ooozie dos amigos da Córtex Produções com o Dudu

Da próxima vez que tiver numa situação mega aflitiva como “o que vou fazer da minha vida?”, “essa área da dinheiro?” ou “preciso me renovar de alguma maneira?” encarre essas questões como algo bom para te expandir e poder enxergar as coisas de uma outra forma, sempre tem um bom amigo te esperando em cada um dos caminhos que você pode percorrer.

Ah… E não se esqueça de se informar do essencial desses amigos, como seus gostos pessoais, por que os números as pessoas grandes já perguntam.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Elber Valim’s story.