O presente do Feedback

Eu pensava que feedback se dava quando se queria dar. Que o fato de eu querer alertar alguém sobre algo que poderia ajudá-la ou sobre um risco que a pessoa estava correndo seria motivo suficiente para eu "falar mesmo", porque era necessário!

Bom, tivemos a experiência da implantação de um sistema de feedback 360 graus na empresa onde trabalho e todos de um mesmo time davam e recebiam feedbacks entre si. Como primeira iniciativa, tivemos problemas com essa abordagem, muitos não aderiram à forma como estava sendo colocada a troca de feedbacks. E tivemos problemas também com a maneira como o feedback foi dado e recebido por vários. Houve reclamações, indagações, não aceitação, busca por compreensão e falta de esclarecimentos sobre o feedback recebido, pois a prática foi anônima. Teve gente que se sentiu mal por ter ouvido coisas que não foram faladas de maneira aberta pelo time, apenas por meio de uma ferramenta, sem identificação.

Como somos uma empresa ágil, logo veio a resposta de mudança. Na segunda rodada de feedback 360, foi abolido o anonimato, e, apenas as duas pessoas envolvidas podiam ler os feedbacks e poderíamos dar e receber feedback para e de qualquer pessoa da empresa.

No primeiro dia de feedbacks, recebi, por meio da ferramenta, o pedido de feedback de uma pessoa do meu capítulo. Eu entrei na ferramenta para ver e lá estava o ícone de uma caixinha embrulhada para presente entitulado "Feedbacks". Caramba! Eu olhei para aquilo de outra maneira. Alguém estava pedindo um presente para mim! Não era apenas um feedback, era um presente! Li a mensagem que a pessoa havia me enviado e saí da ferramenta. Estava já no final do dia de trabalho, no último dia de um sprint, a cabeça já estava cansada… não era possível presentear alguém naquele momento. Precisava de um tempo para pensar sobre o que retornaria para ela como meu presente.

No outro dia de manhã, assim que cheguei ao trabalho, com a cabeça fresca, no meu melhor momento do dia, acessei a ferramenta e li novamente a mensagem da pessoa. Então, passei a dar-lhe o meu feedback sobre o que havia pedido. Minha mensagem foi um diálogo "escrito". Me dispus a conversar pessoalmente para entendermos melhor a visão passada. Pensei em como poderia ajudar essa pessoa com minhas palavras e como ela poderia ser uma pessoa melhor a partir do meu feedback.

Enviei o feedback e comecei minhas tarefas do dia. Antes do almoço, topei com a pessoa e ela me deu o feedback do meu "presente", havia feito sentido para ela. Notei que ela estava um pouquinho diferente, será que meu presente havia funcionado? Teria surtido algum efeito? Pensei. hehe Marcamos de tomar um café ainda naquela semana. ;-) No final do dia topei novamente com a pessoa, que estava fazendo justamente o que eu havia sugerido no meu feedback para ela! heheh Achei que o feedback havia cumprido seu bom papel! Fiquei feliz por isso. :-)

Tirei uma lição a respeito: feedbacks são presentes que damos aos outros quando querem ser presenteados por nós. São efetivos quando desejados. Um presente é bem recebido quando querido. Não adianta muito eu querer presentear algém que não quer receber presentes! Além disso, não é de todo mundo que queremos receber presentes. Isso ficou claro quando foi dado feedback pra todos do time, na primeira rodada, e vi gente questionando o porquê havia recebido tal feedback de melhoria, mesmo várias pessoas tendo falado a mesma coisa, o receptor não enxergava aquilo, não aceitava o presente. Assim como teve gente que não fez nada em relação ao feedback recebido, não o aceitou.

Então, eu estou encarando o feedback como algo valioso, pedi esse presente para algumas pessoas apenas, para as mais próximas, que podem dizer algo sobre mim, como pessoa e como profissional. Podem dizer sobre como é trabalhar comigo, sobre meus pontos fortes e fracos que enxergam no dia-a-dia, pontos de melhoria, minha evolução pessoal e profissional… Assim como dedico meu melhor momento do dia para dar feedbacks, penso que farão o mesmo por mim, que terão consideração pelo fato de me presentearem. :-)

E a todos que me pedirem, terei grande consideração em dar o meu melhor, como um presente!