Abundância de Conhecimento

Carta para Jon Suguiyama.

Querido Jon,

Que delícia ler sobre você.

Que vontade imensa dá de ouvir você contar sobre cada instrumento tocado, cada banda ouvida, cada arte criada.

Quero saber mais.

Um desejo de explorar a vida através do seu olhar. Pelos seus olhos tudo parece tão bom e interessante que talvez me trouxesse a possibilidade de ser mais ousada.

Mais corajosa.

Afinal, experimentar é um sinal de vigor, de interesse, de vitalidade. De ter certeza que não é necessário saber por que e nem como apenas sentir e aproveitar o momento presente.

Dar um tempo nos motivos e razões para apreciar aquilo que lhe toca. Aquilo que faz sentido.

Acho que duvido demais. Duvido da minha capacidade de simplesmente criar sem motivos como se eu tivesse obrigação constante de saber a finalidade.

Fico tão feliz de encontrar, e no seu caso reencontrar, pessoas inspiradoras. Cada história compartilhada me traz a chance de reinvenção, de ver por outro lado, de encontrar perspectivas por meio do outro.

Ah que linda oportunidade de ser e saber um montão de coisa só pelo simples fato de querer.

Sem ordens ou organizações.

Sendo.

Você conseguiu me contar cada pedacinho que te habita hoje, uma multiplicidade de metades que se encaixam perfeitamente e formam um ser incrível. Você.

Um cara único por suas vontades inconstantes de descobrir novas partes em tudo. De pular com braços abertos às portas que abrem a todo instante.

Sabemos que a maior delas foi avistada, mas ainda precisa de certos calços para ultrapassar. Uma lapidação da abundância de conhecimentos e sensações adquiridas até então para criar sua própria versão.

Aquela única feita por você e suas cores intensas sem julgamentos ou medos antigos de rejeição. Apenas vivenciando criar as minúcias algo que lhe remeta completamente.

Uma parte que revele tanto que chega a dar calafrios e leva uma completude imensurável.

Condense suas fatias, observe seus movimentos, permita experienciar-se. Mergulhar profundamente na beleza interna que lhe habita reconhecendo a sua própria criação.

O seu melhor exposto refletindo o melhor do outro.

Convidando assim a transparecer o verdadeiro eu simbolizado em arte.

Desejo que sua curiosidade nunca vingue, que o desejo seja guia e o despertar motivo constante. Que a vida lhe proporcione a chance de enxergar por outro viés encontrando as respostas que procura. Que a rebeldia seja o fogo de manifestar a sua verdade com amor e o impulso faltante para dar saltos mais altos a seu favor.

Com amor,

Elisa.

Like what you read? Give Elisa De André Motta a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.