Os elos que nos alimentam.

Carta para Márcia Tibério.

Querida Marcinha,

O que seria do mundo sem as conexões?

Sem os laços que unem uns aos outros, sem as relações construídas e sustentadas pela a intenção de simplesmente ter perto, mesmo que dentro, as pessoas que amamos e admiramos.

Os laços são correntes de energia que nos ligam e nos tornam mais amáveis e caridosos ao longo da vida.

Estamos todos conectados o tempo todo, podemos sentir e vibrar a distância, podemos emanar desejos a todos ao nosso redor, sendo estes positivos ou negativos.

E assim, receber de todo o universo, uma força que retorna para nós aquilo que transmitimos.

Podemos acompanhar esses laços quase que em tempo real e nutri-los a todo momento se for necessário e desejado. Podemos também apenas sorrir e felicitar por novas conquistas, auxiliar quando uma queda ocorre e ignorar quando não temos o que oferecer.

Mas eles continuam existindo e sempre existirão. Quando conhecemos alguém trocamos vibrações por algum motivo além do nosso conhecimento, esta troca fica conosco, cada um levando seu pedaço. Cabe a nós cuidar do que recebemos e enviamos, deixando para trás aquilo que não faz sentido e guardar o que nos alimenta positivamente.

E entre eu e você foi assim.

Criei por ti uma grande admiração pela sua forte personalidade, por ter estado comigo em outra cidade vivendo algumas aventuras, por termos divididos pequenas angústias e por alimentarmos, mesmo que longe, essa amizade que trazemos até hoje.

Desejo que encontre pessoas sempre sorridentes e amáveis, que sejam espontâneas, livres e determinadas, assim como você é.

Fique bem. Conte comigo. Conecte-se sempre.

Com amor,

Elisa