De 21.08.2015

“E todas elas tocaram minha companhia juntas um dia. Vieram de todas as partes do mundo, vieram de todas as épocas e fases da minha vida e estavam acomodadas no meu sofá. Tinha aquela grande, bonita, com o sorriso do tamanho do mundo, tinha aquela magrela e peituda, séria como sempre, tinha aquela de sorrisinho estilo Monalisa que não conseguia parar quieta, tinha aquela gordinha que ficava olhando pros lados e passava a mão no rosto pra tentar disfarçar o embaraço, tinha aquela de cabelos ondulados que retorcia as mãos e parecia que deseja ir embora o mais rápido possível, tinha aquela de óculos que olhava pra todas como se tudo fosse uma grande piada, tinha aquela que tirava e colocava os óculos escuros sem parar, tinha aquela alta de braços cruzados que olhava em desafio para as demais, tinha aquela que fumava sem parar com cara de tédio, tinha a loira engraçadinha que tentava desviar o foco toda vez, tinha, tinha, tinha. E todas elas só queriam que eu as deixasse em paz. Porque os anos passam mas eu ainda as aprisiono em mim.”

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Eriele Eyre’s story.