Laura Stevens — Another november

Progenitor

Você levou o que pôde:
Roupas, lembranças e futuro.
Mas deixou um soco no rosto de quem eu mais amava,
Deixou também um buraco em nossas vidas.

(Quanto tempo faz?
Você se lembra?
Isso te machuca?
Você sente alguma coisa?)

Passei tanto tempo tentando,
me preenchendo de coisas,
versos, bebidas…
Tudo em vão.

(Por que, pai?
Eu passei tantos anos sem você.
Caí e não tive a sua mão
Para me levantar.)

Me tornei adulta antes de trocar os dentes,
Antes do primeiro beijo,
Antes do primeiro 10,
Antes da primeira festa.

Conheci o abandono de um homem
Antes de conhecer o seu amor.
A solidão, o vazio…
Tudo o que machuca.

Essa ausência me fez querer ser melhor:
Vestibular, diploma, carreira.
Ser melhor que todas ou
Melhor que você.

(Eu falhei, Pai.)

Silenciosamente,
Essa tristeza
Me tirou o caminho,
A paz, o amor-próprio.

A sua ausência pesou a mão daquela que amo,
A sua ausência trouxe a minha obediência,
A voz baixa,
O olhar com de medo.

Pai, esse peso
Me levou a alegria.
Esse sorriso que você vê,
Esconde a vontade de chorar.

A dor virou minha casa,
Se tornou companheira
Enquanto eu tentava ser normal,
Ser igual aos outros.

(Gostaria de algo pronto, pai?
Sem defeitos? 
Pai, posso te chamar assim?
Você poderia me amar?)

Tudo cheio de ausência,
De perguntas sem respostas.
Estamos sozinhas até hoje,
Nada deu certo desde aquele dia.

(O vazio incomoda, Pai.)

Like what you read? Give Esther Greenwood a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.