Por que estamos tão irritados?

Não sei vocês, mas eu, ultimamente, tenho tido mais momentos de irritação e falta de paciência do que há uma década. O que tem me deixado sempre no limite? Será a quantidade absurda de informações a que estamos submetidos? O ritmo acelerado da vida? Muito barulho? Não sei, realmente. O que sei é que a cada dia a gente é cobrado a viver tudo de forma muito intensa, consumir sem curtir, sabe?

E quando falo em consumo, falo de tudo. Somos obrigados a saber tudo sobre tudo. E ai entramos numa de consumir e não saborear. E então eu penso: Por que? Pra que? Pra quem? Deixamos de lado o que realmente nos dá prazer para acompanharmos um fluxo de informações e de produtos que realmente não daremos conta nunca.

Ai eu paro e penso: sou realmente obrigada a me submeter a esse ritmo? Deixo de ler notícias e tentar estar por dentro de tudo por apenas dois dias e percebo que meu humor muda completamente. Deixo de me cobrar porque “soujornalistaetenhoquesaberdetudo” e passo a consumir o que me deixa feliz. O resultado é simplesmente fantástico!

O que vale mais? O nosso prazer, a nossa paz de espírito ou nos apresentarmos como pessoas que tudo sabem e sobre tudo opinam mas não processarmos o que consumimos? Pra que tanta pressa? Precisamos nos irritar para, apenas, dizermos que fizemos tal coisa quando realmente não nos trouxe nada?

Engraçado que tenho feito esses exercícios e tenho percebido o quanto muda. Mas ai vem a pergunta do outro lado: vou conseguir segurar a onda de não estar abastecida com pelo menos 1/100 das informações que me chegam diariamente?

Mais vale a irritação para alcançar o pertencimento a um grupo ou a tranquilidade e estar fora?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.