Quando escrevia sobre amor

Lembro quando escrevia sobre amor.
Dos dias inquietos em toda calma
Dos momentos inacabáveis que passavam
Rimas com o que for
Tentando tirar da alma
As coisas que restavam

O sol nascia,
O sol dormia,
Mas as tardes
Sempre ardiam mais
Que qualquer busca

Tudo que aprendi
Por tudo que perdi
Mostrava que o que recebi
Não era descaso,
E sim lições sem prazo

O céu vermelho refletia
Tudo que simplesmente acaba.
Algo que não se via,
Porem se fazia presente,
E assim se esvazia
Deixando a marca
Que somente sente

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.