Do amor

Window Water Baby Moving
 [Stan Brakhage]
 1962

1 — partitura: valsa para quatro ventos
 
 
 Lô. diz a _Sim_Não_: Sim

_Sim_Não_ diz a Lô.: Não

Lô. diz a _Sim_Não_: Não

_Sim_Não_ diz a Lô.: Sim

Lô. diz a _Sim_Não_: Sim

_Sim_Não_ diz a Lô.: Sim

Lô. diz a _Sim_Não_: Não

_Sim_Não_ diz a Lô.: Sim

Lô. diz a _Sim_Não_: Sim

_Sim_Não_ diz a Lô. : Sim

Lô. diz a _Sim_Não_: Não

_Sim_Não_ diz a Lô. : Não

Lô. diz a _Sim_Não_: Não

_Sim_Não_ diz a Lô.: Não

Lô. e _Sim_Não_: São

(pausa)
 
 
 
 pésjuntos

p e s ______________

_______________p e s
 
 pesjuntos

_______________p e s

_______________p e s
 
 pés_juntos

___________________________juntosèp

pé_juntos

pésjuntos

Refrão: Lo Li Lá Lá Lá Lé Lé Ló Ló / Lo Li Lá Lá Lá Lé Lé Ló Ló

Velada, a valsa se alimenta de prazeres inconsequentes, prazeres que se projetam laminados, de modo a embeber a superfície caiada do corpo-a-corpo. Com que sabor virá? 
 
 
 2 — brilho
 
 — Porque assim a força do hoje-agora, futuro não-mais, poderá reagir de maneira favorável a escapar ou pôr chifres onde não se é esperado ter. 
 — Eu sei. Pareço ter pouco brilho.
 — É que ainda falta você cruzar melhor com o acaso. Aí quando se levanta, o brilho aparece. Assim sentado, a sombra aparece.
 — Sei…
 — Não sabe que o amor suporta o ódio. A felicidade, a ignorância. O encantamento, o erro?
 — E eu preciso de tudo, menos de razão. Alguma razão de que mereça?
 — Desrazão com uma pitada leve de amor próprio. Nunca chegou a se sentir?
 — Apago a luz, todas as vezes.
 — Alguma vez alguém te forçou a querer?
 — Nunca sentiu culpa por algo?
 — Os anos que te aguardam parecem querer dizer mais.
 — Não sirvo para eles.
 — E por que perecer pela fragilidade, se teu corpo é janela e porta? Nunca saboreou a profundidade da pele? A transparência do vaso?
 — Por isso desenho. 
 — Veja só! Teu brilho está no alcance de suas mãos. Basta arrancar a pesada cortina de teus aventais, para que a luz possa contaminá-la de traços firmes e diagonais. 
 — …
 
 E mais uma vez a alvorada se fazia chance. Se a vida comia do jeito que comia, havia um corpo que respirava à revelia do mundo exterior. Seria ele finalmente possível?

Window Water Baby Moving [ Stan Brakhage] 1962

3 — dor
 
 Havia me dito que se tratava de algo intratável e inafiançável. Não acreditei. Ao dar um abraço, para além do desânimo que o afetava, percebi o sintoma se deslocar na sua pele vermelha. E isso fez toda a diferença para resolvemos aquele problema de outra forma. Porque a cura não existia, e o tempo não era dinheiro.

as flores são do tamanho dos passos.

e em cada pétala há uma imagem.
 e em cada imagem um ninho

que é possibilidade e átomo.

Espasmos? Não, filosofia de vida.

E como dói.