Amor no Brás

Morava eu em um prédio no Brás e em frente ao meu quarto morava Ela, a moça que desde o ano passado, quando eu havia me mudado para lá me cumprimentava, sabia meu nome, mas eu não sabia o seu.

Queria chegar e contar pra ela tudinho que eu sentia no peito, mas meu coração é jeca, e tem um monte de homem vistoso querendo ela.

Um dia mandei uma carta, para aquelas rádio que eu sabia que ela escutava, com meu nome em anónimo escutei o locutor falar meus versinhos.

No dia seguinte nos encontramos de novo, e lá vai ela me cumprimentar, mas o olhar dela brilhava, desta vez como água, ela tinha escutado o locutor, seus olhos diziam:

- Me ame, por favor.

Fábio Alves.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.