Sobremesa

Já tinha aí um bom tempo que eu havia me livrado deste monstro que me perseguia depois de todas as refeições: o desejo por um docinho.

Almocei com um amigo e meu palpite poderia ser que o tema da conversa levou à sobremesa, mas acho que o desejo já se havia instalado em mim enquanto eu me servia no balcão. Estava ali me olhando, mosaico de gelatina, era mais do que eu podia suportar, era mais do que eu QUERIA resistir.

Estava decidida, aquele potinho ia ser meu! E não era só para ele que eu tinha olhado… Outro, ao lado, havia também atraído o meu olhar.

Leite condensado…

Que mal pode haver em uma colher de leite condensado sobre o mosaico de gelatina?

Perdido por um, perdido por mil!

Servi uma generosa colher!

Senti um certo estranhamento ao ver que o leite condensando não se aconchegou nas maravilhosas curvas da gelatina como meu desejo já havia imaginado…

Foi então que neste momento meu sonho se desvaneceu e incrédula percebi que havia papel filme sobre o doce.

Torço para que meu amigo, da mesa, (e se não for pedir demais o restante do restaurante) não tenha visto, afinal estou de costas. Munida de toda a minha habilidade manual, devolvi, discretamente, o leite condensado para o pote, removi o papel filme todo grudento de cima e repeti a operação de colocar o leite condensado sobre o doce.

Deus me deu uma segunda chance para que eu não fizesse isso, mas eu ignorei completamente. =D

A propósito, estava tão bom que eu acho que foi só um teste de perseverança do meu desejo!

Like what you read? Give Fernanda Almeida a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.