Coisas que eu não farei com as minhas personagens. Nunca.

Este texto é uma tradução deste artigo da Seanan McGuire.

Tradução feita por Bruna Oliveira, apenas para fins de divulgação do texto original para maior alcance em português.

Seanan McGuire é uma autora americana de ficção e fantasia

Coisas que eu não farei com as minhas personagens. Nunca.

Eu não tenho o hábito de marcar meu mau humor, mas neste caso, eu vou, porque irei discutir abuso sexual de mulheres, e eu tento não ser trigger quando não preciso ser. Esta é a sua notificação, e seu aviso.

Há várias maneiras de chegar a mim; Eu tento ser acessível e receptiva sempre que possível. Às vezesm isso leva a perguntas sendo feitas para mim que eu nunca sonharia em perguntar a um autor que não seja a)um amigo pessoal, e b)no processo de ficar bêbado comigo. Eu tento respondê-los educadamente, supondo que eu consiga respondê-los (eu não posso, sempre; algumas questões simplesmente não podem ser respondidas).

Ontem à noite eu fui questionada — com todas as palavras — quando Toby ou uma das Prince girls iriam finalmente serem estupradas.

Não “se”. Não “você acha”. Mas “quando”, e “finalmente”. Porque é uma conclusão óbvia, veja você, que todas as mulheres precisam ser estupradas, especialmente quando elas têm a ousadia de correr por aí sendo protagonistas todo o tempo. Eu respondi com confusão. A pessoa forneceu uma lista de cenários em que essas personagens foram “mais do que provável” de encontrarem violência sexual. Estes incluíam Verity esquecendo-se de mudar sua roupa provocante antes de sair em patrulha, Toby ser arrogante, e Sarah voltar para casa andando sozinha. Sim, até mesmo a predadora telepata com um campo de “não me note” será, inevitavelmente, estuprada.

Quando. Finalmente. Inevitavelmente.

Minha resposta: “Nenhuma das minhas protagonistas será estuprada. Eu não quero escrever isso.”

A resposta deles: “Eu pensei que você tivesse respeito pelo seu trabalho. Isso não é realista.”

Verity é a filha bastarda de Dazzler e Batman. Toby é o que acontece quando Tinker Bell abraça sua vadia interior e começa a usar calças. Velveteen traz brinquedos à vida e os usa para combater as forças do mal. Sarah é uma matemática gostosa que parece com a Zooey Deschanel mas é na verdade uma ultra-evoluída vespa parasita. A parte não realista de todas essas personagens? É que elas não foram estupradas.

Nem preciso dizer, eu fiquei um pouco irritada, e eu ainda estou.

Estatisticamente falando, uma em cada seis mulheres irá ser estuprada durante sua vida. Essa é apenas a estatística que conhecemos; isso não conta o fato de que agora mesmo, denunciar estupro é um campo minado por si só, e muitas mulheres escolhem não se sujeitarem a esse processo. Eu não sei quantas das minhas amigas foram estupradas. Eu sei que cinco delas estão seguras por minha conta, se você confia em estatísticas. Então veja você. É isso.

Estupro na ficção pode ser uma coisa importante e poderosa. Pode ser usado pra fazer declarações importantes, pode ser usado pra conduzir histórias importantes. Eu amo Deerskin de Robin McKinley tanto por causa do desconforto que me causa quanto para a beleza que ele contém. Há autores que eu sempre irei confiar, ou tentar confiar, e é importante mostrar coisas desconfortáveis através da ficção. Eu não estou dizendo que ninguém deveria escrever sobre estupro, nunca.

Mas estupro na ficção também pode ser uma coisa problemática e depreciativa, usada para colocar heroínas arrogantes em seus lugares. Quando Janet vai para Caughterha apesar de ser advertida a não ir, sua punição é estupro pelo homônimo Tam Lin. Quando uma super heroína precisa de uma história profunda e ousada, há sempre algum vilão com um raio enfraquecedor e uma agenda debaixo das asas. Eu leio muito horror, muitos quadrinhos, e muita fantasia urbana, e a coisa que esses três têm em comum é estupro. Muitos e muitos estupros.

E eu não quero escrever isto.

Eu não entendo — Eu não irei entender, me recuso a entender — por que estupro é o que deve estar na mesa para toda história com protagonista feminina, ou até mesmo uma mulher forte secundária. Por que é supor que eu estou sendo “irrealista” quando digo que nenhuma das minhas personagens irá ser estuprada. Por que isso “tira a tensão da história”. Há tensão suficiente sem que eu tenha que escrever sobre algo que incomoda a mim e muitos dos meus leitores, obrigada.

Toby não irá ser estuprada. Verity, Alice, Sarah, Antimony, e o resto das garotas InCryptid não irão ser estupradas. Velveteen não irá ser estuprada. Rose não irá ser estuprada. Se isso faz do meu trabalho não realista, então tudo bem. Há uma razão para que eu escreva ficção científica e fantasia.

Mas eu não irei escrever estupro. E o fato de que isso de alguma forma me faz “não realista”, ao invés de me fazer uma autora que faz escolhas sobre o que quer escrever…esta é a parte que eu acho perturbador.

Você sabe. Além de todo o resto.