A Reciprocidade em Vermelho e Preto

A Magnética é 100%

Amigos Rubro-Negros,
 
Estamos disputando o título do Brasileirão 2016 ponto a ponto, numa das brigas mais acirradas dos últimos tempos. Numa guerra como essa, todo detalhe faz diferença e qualquer descuido pode acabar virando uma arma para os adversários.
 
É nesse cenário de concentração máxima e “erro zero”, que nós, do FLAFUT, nos sentimos na obrigação de levantar um ponto que julgamos relevante nesta reta final de campeonato: a postura de nossa Diretoria no que se refere à distribuição de ingressos para times visitantes, mais especificamente com relação ao próximo clássico com o Botafogo, que deve ocorrer no Maracanã.
 
Temos lido mensagens em redes sociais e ouvido conversas (inclusive de integrantes do Conselho Diretor) de que o Flamengo estaria disposto a oferecer ao rival em questão os costumeiros 50% de ingressos, mantendo a tradição centenária de dividir igualmente o espaço do estádio com um rival local.
 
Fossem essas afirmações feitas em outros anos, provavelmente não estaríamos escrevendo sobre o assunto. Porém, esse pensamento não cabe na atual temporada.
 
Uma temporada onde a palavra “reciprocidade” foi solenemente esquecida por rivais como o São Paulo, Palmeiras, Fluminense e, especialmente, o Botafogo.
 
Não há que se falar em disponibilizar metade da carga de ingressos a um clube que, neste ano, nos cedeu apenas 10% dos ingressos para o jogo do turno, nos negou mais de uma vez o aluguel de seu estádio e repetidamente vai à mídia para falar do nosso Clube em tom beligerante.
 
O Botafogo, assim como outros adversários, tem nos dispensado um tratamento desigual, ignorando acordos e condutas isonômicas — tudo em nome de ganhar pontos e avançar na tabela de classificação, ou até mesmo por vingança.
 
Fica, então, a pergunta: por que não podemos dar a mesma ênfase à nossa situação na tabela em detrimento aos adversários?
 
Melhor ainda: por que não podemos fazer isso sem quebrar qualquer acordo ou conduta ética, mas simplesmente sendo recíprocos?
 
Aliás, sobre a tal “reciprocidade”, vejam que ironia do destino.
 
Fomos tratados de forma “não recíproca” em momentos importantes do campeonato e reclamamos disso — com razão. E agora, que temos a chance de sermos recíprocos, com toda a legitimidade, estamos hesitantes em fazê-lo.
 
Fica aqui, portanto, nosso sincero apelo à Diretoria do Flamengo: nessa reta final de campeonato, deem aos adversários que enfrentaremos no Maracanã a cota de ingressos que lhes cabem por regulamento. Nada mais, nada menos do que o justo e regulamentar.
 
Por favor, não confundam “Clube Cidadão” com “clube trouxa”. Não misturem “reciprocidade” com “vingança”.
 
Cuidem dos interesses do Flamengo sem vacilos e sem concessões num momento tão agudo do campeonato!
 
Respeitemos os outros, mas em primeiro lugar, respeitemos a nós mesmos!
 
Para que o cheiro de hepta continue forte, precisamos de todos: time, torcida e Diretoria.
 
Os dois primeiros já disseram “presente” diversas vezes: dentro de campo, nas ruas, estádios e aeroportos.
 
É hora da Diretoria também marcar sua posição — firme e condizente com as nossas tradições.
 
Rumo ao título!
 
SRN
Grupo FLAFUT
#FlaFut 
#FocoNoFutebol 
#CheiroDeHepta 
#Reciprocidade

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.