Quem paga a conta do jornalismo?

Este texto foi originalmente escrito para a newsletter 7 SOURCES. Se você gostar, assine e receba antes da publicação por aqui. É só acessar o link de inscrição.


1) Quer pagar quanto? O New York Times vem alcançando uma maturidade interessante com seu paywall e agora pretende criar um modelo dinâmico de assinaturas. De acordo com a apuração do Digiday (em inglês), o pico de assinaturas pós-Eleições de Trump serviu para o jornal coletar informações muito ricas de seus usuários. Desta forma, poderá oferecer planos personalizados de acordo com o valor que o leitor está mais propenso a pagar.


2) A VICE Media deve cortar 15% de seu pessoal e quase metade de seus produtos digitais. Segundo informações do The Wall Street Journal (em inglês), a medida acontece diante uma receita de aproximadamente US$ 650 milhões previstos para 2018, quase US$ 100 aquém do esperado para o encerramento do ano. Parte dos funcionários será remanejada e algumas das produções serão terceirizadas. A reportagem ainda diz que, de acordo com números aferidos pela ComScore, o grupo de sites de VICE perdeu quase nove milhões de usuários únicos nos últimos dois anos.


3) O NiemanLab levantou a questão: As newsletters são um produto do negócio ou são uma responsabilidade do time editorial? (em inglês). Um levantamento feito por Caroline Porter, do projeto Single Subject News, aponta como oito redações encaram o dilema, mas ninguém tem uma resposta muito pronta para isso. Em alguns casos, as newsletters são feitas por equipes específicas, como as de audiência ou engajamento, em outros, é um produto de toda a redação. Outro ponto abordado é que equipes editoriais tendem a encarar qualquer produto como “hard news”, mas as newsletters exigem estratégias de longo prazo e as redações ainda não estão prontas para pensar assim. Vale muito a pena dar uma olhada no texto final do estudo.


4) A Discovery começou a usar Inteligência Artificial para entregar o conteúdo certo para os seus anunciantes se conectarem com o público-alvo.Esta matéria do Meio & Mensagem explica que a tecnologia foi criada na Colômbia e será oferecido para todo o mercado latino-americano. A ideia é que, combinando Insights, Conteúdo, Distribuição e Otimização, a plataforma consiga encontrar dentro do universo Discovery o conteúdo mais adequado para os objetivos da marca.


5) Dinheiro para a educação: A Sociedade Interamericana de Imprensa (IAPA) abriu inscrições para o seu Fundo de Bolsas de Estudos. O programa é voltado para jornalistas que queiram cursar a pós-graduação. As inscrições estarão abertas entre 15 de novembro de 2018 e 31 de janeiro de 2019. Os interessados devem ter entre 21 e 35 anos e estudar em universidades credenciadas nas Américas do Norte e do Sul. As bolsas de estudo incluem auxílio de US$ 20 mil dólares e custos de viagem de ida e volta.


6) A tenologia de personalização da entrega de anúncios está começando a ser usada com maior eficiência dentro do conteúdo. Apesar de o mercado editorial ainda ser muito cético com esse tipo de coisa, o Digiday (em inglês) mostra como o USA Today tem usado o desenvolvimento além da publicidade, sendo aplicado também em artigos recomendados, conteúdo do app e propagandas para gerar assinaturas.


7) Apesar de não estar diretamente relacionada com como o jornalismo se paga, a relação de Bolsonaro com a imprensa brasileira não deixa de colocar um ponto de interrogação no mercado. Lá no Intercept Brasil, o Mário Magalhães fez um belo de um textão sobre como vamos agir com o novo presidente. Para ele, o fato de alguns veículos terem sido barrados na primeira coletiva pós-vitória mostra que Bolsonaro agirá contra a imprensa. Restando saber como a imprensa vai se posicionar contra ele.


Se você term alguma sugestão de conteúdo e gostaria de compartilhar com o resto da lista, envie para newsletter@flaviomoreira.com.