I remember You…

“Às vezes eu só quero alguém para entender minhas loucuras e explicar-me as minhas sanidades…”

Olá, ando meio triste, verdade. Apesar de conseguir um estágio novo para minha vida profissional ainda ando preocupado com a minha sanidade mental. Ainda não vi vivalma compatível com meu grau de pensamento. Às vezes, penso que Deus me fez exclusivo demais, e talvez eu seja um tanto arrogante em meus pensamento trancafiados em minha mente…

Como era bom o tempo da escola, conversas fúteis, merenda estraga e nada para de preocupar (nem antes, nem durante, nem depois das aulas). Mas eu, como todo adolescente, tive alguns escorregões amorosos em minha vida. Não que eu fosse um delinquente juvenil, foi um tanto nerd para minha época de colégio (era conhecido como “Dicionário Ambulante” , devido ao meu extenso vocabulário para minha idade), mas sempre alimentei mais o vicio de ler do que o de escrever. sou um grande admirador das palavras e não um fazedor de idéias…

mas como eu ia dizendo tive 2 amores relevantes na minha adolescência, um na 8 serie, foi uma menina do 3º grau, estava um tanto fora do meu alcance eu sei, mas acabei me conformando com isso… a outra, mais tocante, foi durante o meu 2º grau, na época da internet discada (alguém ai lembra do discador itelefonica?) e o apogeu do mIRC, seu nickname ou apelido (chame como preferi) era “Nany”, mas o nome real era Camila… bem ela me tocou de um jeito que eu não sei bem explicar. Acho que devido ao fato do anonimado da internet e o clima de mistério ajudou um pouco, mas na verdade, eu gostava de conversar com ela. Ela era um Amiga (com A maiúsculo), nós conversávamos sobre qualquer coisa (sexo, inclusive), além de banalidades do dia-a-dia. eu me sentia muito a vontade com ela, era como sentar diante de um confessionário e desabafar tudo que está preso em sua alma, sem se importar com o padre do outro lado…

Foram 2 anos de muita conversa, acho que nosso relacionamento crescia desde então, mal podia perceber como eu estava redondamente enganado, e que na verdade ela tinha vergonha de mim, pois bastou um encontro ao acaso no Shooping para a magia do amor acabar (não da minha parte, da parte dela, é claro). Ela começou a se afastar de mim, mal entrava no chat , apesar de longas horas de espera da minha parte. não retornava meus telefonemas e nem respondia minhas cartas, sim eu escrevia cartas para ela (como era um bobo apaixonado naqueles dias). Mas o sumiço repentino dela me causou muita dor, um surto de loucura,cai em depressão, mas conseguir me reerguer com a ajuda da minha família.

e apesar de tudo que ela me fez passar, mesmo sem culpa nenhuma, eu ainda gosto dela. Ela faz meu coração bater mais forte, faz-me sorrir sem querer, ainda a admiro e por ela dedico cada verso que está na ponta da minha caneta. Sei lá, faz tanto tempo que não a vejo, mas mesmo assim lembro de cada detalhe, que ainda faz meu corpo se arrepiar. Vocês podem chamar eu de bobo, de louco, de psicopata (talvez) e ainda sou capaz de alimentar a esperança de encontra-la pelas ruas a qualquer dia e as únicas palavras que virão nos meus lábios serão: I Remember You…

Originally published at arquivodeleitura.wordpress.com on January 19, 2013.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.