Nina Simone e um Ateu

Nina Simone é sem dúvidas a minha cantora favorita e por razões que vão além da técnica instrumental que ela possuía por ser uma pianista altamente treinada e talentosa ou mesmo de sua capacidade de criar arranjos que tornavam as músicas que ela interpretava, mesmo versões já populares de outros cantores, em algo totalmente novo e particular.

O que me encanta tanto em Nina Simone é a sua capacidade de me fazer experimentar sensações ou pontos de vista que normalmente eu não experimentaria simplesmente por não ser parte da minha realidade, um exemplo é “Blues for Mama” um blues impecável onde Nina canta sobre violência doméstica, e te coloca na pele de uma mulher que é vítima de um relacionamento abusivo, mas que aos olhos da sociedade é culpada não só pela violência que sofre como também pelo comportamento do companheiro. Algo que qualquer pessoa do sexo masculino, por mais que tente, não seria capaz de compreender totalmente.

A canção Blues for Mama pode ser ouvida através do link: http://youtu.be/P3OFzIYpjwg


Mas Nina Simone é capaz de ir muito além, e meu exemplo favorito dessa capacidade é “My Sweet Lord (Today is a Killer)” um cover da canção de mesmo nome de George Harrison. Na sua versão feita para o Album Emergency Ward, Nina é acompanhada por um coral gospel que confere ainda mais energia a uma canção com mais de 18 minutos que consegue a proeza de não soar repetitiva em nenhum momento, graças a capacidade que a cantora tinha de balancear diferentes entonações, tons e pausas e ao mesmo tempo de ser totalmente emocional e beirar o êxtase espiritual durante a sua interpretação.

E o que mais me impressiona nessa canção é como eu, que sou ateu, consigo entender o misto de desespero e esperança que a canção transmite e me pego várias vezes repetindo o frase: I really wanna see you, querendo de fato ver ou experimentar a fé em algo sobrenatural como se eu compartilhasse com a cantora a crença na existência daquele deus. Nos 18 minutos em que eu mergulho nessa canção eu consigo entender como é ter fé em algo além da lógica e essa sensação eu jamais experimentei mesmo quando ia à igrejas, quando visito templos, leio ou escuto qualquer outra canção sobre religião.

Espiritualidade não é algo que faça parte da minha personalidade, eu sou naturalmente cético acerca de tudo por isso quando consigo ao menos compreender como se sente um fiel diante da sua crença, eu sinto um pouco melhor como ser humano, afinal haver empatia tem sido algo tão difícil quanto necessário nos tempos em que nós vivemos.

Aliás o álbum em que esta canção aparece pela primeira vez foi lançado pela Nina Simone como uma resposta à guerra do Vietnã e por isso a cantora mixa a letra original com o Poema “Today is a Killer” do grupo The Dead Poets e ao final da canção ela conclui “today lord, you’re a killer” numa irreverência e afrontamento que Nina Simone sabia incorporar como nenhuma outra pessoa. A impressão que fica é que o contexto em que a canção foi interpretada originalmente não mudou muito, afinal vemos todos os dias exemplos absurdos de intolerância, pessoas que matam em nome de um deus ou de pessoas que classificam toda e qualquer religião como algo negativo baseado no comportamento de poucos. Por isso essa canção assim como toda a obra de Nina Simone continuam atuais e relevantes como nunca.

A canção My Sweet Lord (Today is a Killer) pode ser ouvida através do link: http://youtu.be/L2m6IsVvj5c

Like what you read? Give Fernando a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.