Me sinto como o velho ucraniano

A cada dia me sinto mais

como aquele velho ucraniano

De amores pra trás, grupos

De histórias impecáveis


Por onde passei

Dei de mim o melhor e fui justo

Tão implacável que meus rivais

só podem dizer de mim que fui demasiado extremo


A cada dia me sinto como o velho

Que alimentava os cachorros, as galinhas, as plantas

Voltava-se às teorias, tarefas, querelas

Escrevia, escrevia o futuro do mundo


Eu e meu amor separados

Meu corpo exilado em qualquer abrigo

Minha mente conjectura rebelião,

Meu coração grita, ignorado


Não existe nada além

daquela velha bandeira

Não existe nada que valha agitar

Além do seu triunfo antes que a mim matem