EuroDraft #6 - Jonah Bolden

Já tradicional nos meus antigos meios de publicação, as análises de prospectos internacionais, principalmente europeus, vem para a nova plataforma com novo nome, para dar uma nova cara. O objetivo aqui é falar dos prospectos internacionais mais bem cotados da atual classe. Só que agora o Draft já passou e vamos focar na galerinha que já foi escolhida. Desta vez, o intrigante potencial de Jonah Bolden.

Jonah Bolden

Idade: 21 anos

Clube: FMP

Médias na Liga Adriática 16/17: 12.9 pontos, 7.2 rebotes, 1.8 assistências, 1.0 roubadas de bola, 1.0 tocos, 2.1 desperdícios de bola, 47.2% nos arremessos de quadra, 41.9% nos arremessos de três pontos e 58.5% nos lances livres em 27.7 minutos.

Médias na Liga Sérvia 16/17: 12.1 pontos, 6.7 rebotes, 1.1 assistências, 1.7 roubadas de bola, 0.8 tocos, 1.4 desperdícios de bola, 49.6% nos arremessos de quadra, 38.1% nos arremessos de três pontos e 63.2% nos lances livres em 26.3 minutos.

Projeções de Posição:

Posição listada: Ala-Pivô

Versatilidade de posição projetada no ataque: Strecht Four/Five

Versatilidade de posição projetada na defesa: Homem de garrafão que troca de marcação

Arquétipo de posição: Offensive Playmaker

Parâmetros Físicos

Altura: 2,08 m

Envergadura: 2,21 m

Contexto Profissional

Após dois anos instáveis em UCLA, com problemas acadêmicos e de comportamento fora das quadra que afetaram seu desempenho dentro dela, Jonah Bolden resolveu partir para o basquete profissional, a fim de resgatar o valor que havia conseguido jogando pela Austrália nos torneios de base. O destino foi o FMP de Belgrado, um clube usado pelo Crvena Zvezda, principal equipe da Sérvia, para desenvolver talentos. Basicamente funciona como um time de NCAA, com jovens jogando com liberdade e tempo de quadra para se desenvolverem.

Neste cenário, Bolden era indubitavelmente o jogador mais talentoso da equipe, com “licença poética” para arriscar jogadas difíceis, dono de grande volume de jogo. Dono da posição 4, sua equipe era adepta da troca geral de marcação, usando de flexíveis zonas 1–2–2 para liberar seus longos pivôs para interceptar linhas de passe e acelerar em transição. No ataque, além de espaçar a quadra e criar individualmente após o drible, por vezes pegava o rebote para iniciar ele mesmo a transição ofensiva.

Potencial Físico

Dono de sólida altura e ótima envergadura para atuar como ala-pivô, Jonah Bolden é um prospecto atlético, com ótima habilidade de salto e agilidade lateral, que o permite trocar de marcação no perímetro e potencialmente defender a maioria dos jogadores mais baixos, mas com tamanho e comprimento para também proteger o aro, além de atacar as linhas de passe, um produto físico raro de se achar.

Por conta de suas mãos rápidas, instintos e agressividade nas linhas de passe, é ótimo roubando bolas e acelerando em transição.

O atleticismo, explosão e envergadura lhe dão ótimo potencial nos rebotes, sobretudo nos ofensivos, em que pode finalizar já com uma enterrada:

Sua velocidade de pés e envergadura lhe dá oportunidade de recuperar terreno mesmo quando é batido. Nesta posse, fora de posição no closeout, é batido pelo ala adversário que ataca a cesta. A defesa rotaciona, fecha o espaço e ele faz o passe. Bolden rapidamente chega no pivô adversário e consegue forçar um passe pra fora:

A envergadura também exibe potencial contestando arremessos do perímetro. No garrafão, falta força e foco como protetor de aro tradicional.

Os pés rápidos, agilidade lateral e envergadura são ótimas armas para trocar marcação e contestar no perímetro. Não é um defensor tão disciplinado, mas encaixa perfeitamente com o estilo defensivo utilizado na NBA moderna.

Ofensivamente, seu potencial físico é visto como grande alvo de ponte-aéreas graças a sua impulsão e braços longos. Pode ainda adicionar força para melhorar como finalizador ao redor do aro.

Versatilidade Ofensiva

Aliada a sua capacidade atlética, Bolden possui bom (e inconsistente) chute de longa distância com relativo dinamismo, que não arremessa apenas parado. Exibe fluidez para correr entre bloqueios e arremessar em movimento, além de ter mecânica rápida e bom jogo de pés para estacionar em transição e chutar. O chute, alto e elevado, é difícil de ser contestado.

Graças a um controle de bola acima da média e ótimo jogo de pés para criar separação, Bolden tem potencial para criar após o drible, tanto atacando a cesta quanto arremessando. A seleção de chutes, no entanto, é bastante questionável, podendo forçar bolas longas sem sentido e contestadas.

Sua velocidade em quadra aberta pode ser usada após pegar rebotes e, a partir daí, já acelerar em transição.

Não jogou tanto tempo sem a bola no FMP, mas é possível enxergar instintos cortando para a cesta, tanto para arrumar faltas como para finalizar.

Bolden não é do tipo de jogador de garrafão que possui visão de túnel. Embora ainda não seja um plus playmaker, possui instintos e visão de quadra para fazer rápidos/espertos passes, sobretudo em transição.

Disciplina

Reativo ao que acontece em quadra, o australiano tem um longo caminho a percorrer em termos disciplinares se quiser ser um contribuidor de NBA, despistando o potencial. Defensivamente, Bolden faz box out a cada eclipse, tem o hábito de simplesmente não contestar arremessos do perímetro, por vez não faz o mínimo esforço em correr com urgência rumo ao adversário, nem sempre dobra os joelhos para manter-se na defesa de perímetro e possui uma linguagem corporal bem questionável.

No ataque, tende a forçar passes quando os companheiros não estão necessariamente abertos ou livres. Outras vezes, principalmente em post entries, é simplesmente erro básico de execução.

Jonah pode ser também um pouco confiante demais em sua habilidade e forçar dribles no tráfego que resultam em desperdícios de bola.

Outras vezes acelera demais o jogo e acabar cometendo faltas de ataque, ou ser desatento ao que acontece ao redor.

Potencial, é inegável que tenha. Com contrato assinado com o Estrela Vermelha, o Sixers tem a flexibilidade de acioná-lo já agora pagando um buyout baratíssimo. No ambiente de Philadelphia e com O PROCESSO a todo vapor, é um ótimo encaixe para Embiid, Simmons e Fultz. Se manter a cabeça no lugar, pode ter sido um grande “roubo” na escolha 36.