EuroDraft #7 - Vlatko Cancar

Já tradicional nos meus antigos meios de publicação, as análises de prospectos internacionais, principalmente europeus, vem para a nova plataforma com novo nome, para dar uma nova cara. O objetivo aqui é falar dos prospectos internacionais mais bem cotados da atual classe. Só que agora o Draft já passou e vamos focar na galerinha que já foi escolhida. Agora é a hora de mais um draftado saído da máquina estatística chamada Mega Leks, o esloveno Vlatko Cancar (pronuncia-se “Chanchar”).

Vlatko Cancar

Idade: 20 anos

Clube: Mega Bemax

Médias na Liga Adriática 16/17: 8.2 pontos, 2.9 rebotes, 1.6 assistências, 1.0 roubadas de bola, 0.3 tocos, 1.4 desperdícios de bola, 46.7% nos arremessos de quadra, 40.7% nos arremessos de três pontos e 85.7% nos lances livres em 18.6 minutos.

Médias na Basketball Champions League 16/17: 7.5 pontos, 4.1 rebotes, 2.4 assistências, 0.4 roubadas de bola, 0.7 tocos, 1.7 desperdícios de bola, 45.7% nos arremessos de quadra, 26.3% nos arremessos de três pontos e 57.9% nos lances livres em 23.0 minutos.

Projeções de Posição:

Posição listada: Ala

Versatilidade de posição projetada no ataque: Combo Forward

Versatilidade de posição projetada na defesa: Capaz de marcar alas e ala-pivôs

Arquétipo de posição: 3&D Versatile

Parâmetros Físicos

Altura: 2,03 m

Envergadura: 2,11 m

Contexto Profissional

Vlatko Cancar atua no Mega Bemax, antigo Mega Leks/Mega Basket/Mega Vizura, que além de não se cansar de trocar de nome a cada temporada, possui uma grande rotatividade no elenco demonstrada por uma situação única. A equipe pertence ao super agente Misko Raznatovic, talvez o cara que mais tenha jogadores europeus como clientes seus no basquete europeu, dentre jovens até veteranos, que ano a ano são draftados na NBA. Desde 2014, foram 9 nomes do Mega que ouviram seus nomes na noite de gala do Draft, dentre eles Nikola Jokic, Timothe Luwawu-Cabarrot e Rade Zagorac. Para saber mais sobre o sistema do Mega, recomendo este texto.

Assim como nos anos anteriores, a equipe é composta por jogadores em sua grande maioria abaixo dos 22 anos, com uma rotação feita para os principais prospectos acumularem números. Neste sentido, Cancar não começou assim com tanto hype. Após ótimo EuroBasket Sub20 na offseason e momentos de aparição na tímida Liga Eslovena de Basquetebol, Misko observou Vlatko e trouxe para sua equipe, vindo mais jogos do banco que como titular, ganhando espaço aos poucos. Uma lesão entre fevereiro e março o tirou de seu melhor momento, mas é possível afirmar que fez uma temporada bastante produtiva quando pôde permanecer em quadra, principal sexto homem da rotação composta por Ognjen Jaramaz-Jovan Novak-Kostja Mushidi-Radosav Spasojevic-Alpha Kaba. Sua função na rotação não envolvia muita criação de jogadas individual, era o que scouts costumam chamar de pure weakside guy, ocara puro do lado contrário”, que diz que basicamente era utilizado como espaçador de quadra, aberto na linha de três pontos e usado mais em infiltrações e arremessos após receber um passe, geralmente na posição de ala-pivô.

Perfil Físico e Defesa

Dono de envergadura e tamanho ideais para atuar como ala no padrão da NBA, Cancar atuou a maior parte do tempo na posição 4 em sua jornada pelos países banhados pelo Mar Adriático. Neste sentido, o físico não é lá tão chamativo, mas é o suficiente para atuar como Strecht Four, mais longo que Ryan Anderson e basicamente com as mesmas medidas que Juancho Hernangomez, recém caso de sucesso do Nuggets com internacionais. Em termos atléticos, não é muito explosivo ou vertical, possui agilidade lateral sólida e fluidez mediana, mas não de elite.

Defensor ainda inconsistente neste ponto da carreira, faltam ferramentas de elite para ser um stopper neste lado da quadra, embora seja alguém atento e inteligente em suas decisões defensivas num contexto normal. Sua envergadura o ajuda a contestar arremessos no perímetro e bolas de atacantes menores próximo ao aro em que não foi batido:

No poste baixo, costuma ser movido por pivôs/ala-pivôs orientados ao jogo de costas para a cesta e costuma se complicar em faltas (6.1 para 36 minutos), batido em hesitações e um pouco apavorado. Quando focado, é ativo o suficiente para roubar bolas no passe pelo alto ou mesmo bloquear o chute, mantendo os braços esticados e usando de sólida força, embora possa ganhar ainda mais massa.

Não foi muito confrontado em infiltrações no nível da Liga Adrática na posição de ala/ala-pivô, em que não encontrou tantos adversários atléticos assim, mas pode ser algo que não se adapte bem na NBA, considerando que sua agilidade lateral é, no máximo, mediana.

Ainda não é o tipo de jogador que pode trocar marcação com qualquer um. Veja nesta jogada: ocorre a troca e Cancar sobra no armador, que bate a bola enquanto o ala do Mega vai dando passos para trás e dá espaço para um arremesso não contestado na linha de três pontos. O esloveno tem tanto medo de ser batido na infiltração pelo jogador mais veloz que vemos que ele continua dando passos para trás com os braços para cima mesmo após o adversário ter chutado.

Na defesa coletiva, Cancar faz ótimo trabalho quando não está distraído, o que as vezes ocorre, como nesta jogada: Ocorre um pick and roll em que está marcando um homem de garrafão. O armador não consegue espaço para invadir o garrafão e dá um passe na zona morta. Desesperado, Novak tenta contestar o ala adversário, que faz um pump fake e ataca a cesta com ferocidade. Vlatko, que deveria estar na cobertura, se perde dando uma olhada para trás, cedendo uma enterrada livre ao Buducnost.

Já nesta outra ação vemos um raciocínio bem mais rápido e atento. Nova jogada de pick and roll, mas dessa vez sem envolver Cancar de primeira, que está posicionado do lado contrário. O armador serve o pivô que parte para a enterrada, mas não contava que o atleta da Eslovênia tivesse se antecipado para dar um excelente toco.

Outra faceta importante de seu jogo defensivo é a conquista de faltas ofensivas. Estabelece seus pés antes do semi-círculo com rapidez para vez ou outra algum atacante acelerado demais acabar tropeçando, bem no estilo Ersan Ilyasova.

Nos rebotes, possui contribuição razoável na tábua ofensiva, capaz de encontrar espaços para coletar oportunidades e fazer pontos de segunda chance, mas não é um reboteiro defensivo tão produtivo.

Versatilidade Ofensiva

Considerado passivo na extremidade ofensiva da quadra, possui um encaixe fácil na NBA moderna e sabe bem sua função, não vai forçar jogadas, costuma tomar boas decisões e tem arremesso para espaçar a quadra, mas com passe e infiltração bons o suficiente para não ser unidimensional.

Seu carro-chefe é o arremesso de três pontos, com mecânica alta, rápida e que arma rápido mesmo sob pressão. Não é um arremessador dinâmico neste ponto da carreira, que chuta em movimento após correr por entre bloqueios ou que cria bastante oportunidades individualmente, como condutor de bola. É melhor quando recebe parado, com pés estabelecidos.

Quando a defesa é muito agressiva em relação a seu chute, é capaz de atacar o closeout e usar deste espaço para tentar uma finalização ou passar a bola. Em relação a quando tenta finalizar a jogada, possui passadas largas e boas mãos para alcançar o aro, mas no geral é alguém que joga “por baixo do aro”, podendo sofrer mais quando contestado ou contra envergadura.

Quando a opção é o passe, por vezes Vlatko pode até telegrafar certas alternativas, mas é alguém que mantém cabeça erguida e é capaz de passar em movimento tanto para pivôs quanto para chutadores livres após a quebra de defesa. Por vezes até mostra capacidade de rejeitar bloqueios ou mudar de direção e, a partir daí, executar o passe.

Poucas vezes Cancar foi acionado no Pick and Roll para atacar o aro como homem-do-bloqueio. Para este tipo de situação, não possui muita explosão para finalizar por cima do aro ou se jogar com ferocidade rumo a cesta.

Em relação a arremessos após o drible, pode até converter oportunidade após 1–2 dribles, mas não possui jogo de pés/explosão o suficiente para criar separação, desconfortável quando precisa criar para si mesmo. Uma maneira em que mostra flashes que pode ser efetivo é usando de seu arremesso para fazer turnarounds contra defensores menores ou usando floaters.

Seu estilo de jogo pouco agressivo pode também ser encarado como altruísta, capaz de fazer passes extras e encontrar companheiros melhores posicionados em diversas oportunidades.

Em transição, não mostra controla de bola para dominar o tráfico ou atleticismo para ser alvo para enterradas e ponte-aéreas, mais limitado a bandejas livres após passes ou roubadas de bola.

Com encaixe fácil no ataque de uma equipe e limitações como pontuador e defensor, é alguém jovem que pode melhorar em certas facetas de seu jogo antes de chegar na NBA, vendo que o elenco do Denver Nuggets está um pouco lotado, sobretudo na posição em que joga. É um ativo interessante e versátil para os próximos anos. Há dúvidas se o Mega é exatamente o melhor destino para seguir se desenvolvendo, visto o perfil rotativo e estatístico da equipe. A ver o que a equipe do Colorado fará consigo. Enquanto permanecer agenciado por Misko, terá flexibilidade para ir para a NBA quando o Nuggets quiser.