Vídeo Análise e Relatório: Lucas Dias

Lucas Dias

Idade: 21 anos

Clube: Paulistano

Médias pelo Paulistano na Temporada 16/17: 12.6 pontos, 4.5 rebotes, 1.1 assistências, 0.7 roubadas de bola, 0.8 tocos, 1.5 desperdícios de bola, 40.7% nos arremessos de quadra, 36.7% nos arremessos de três pontos e 77.3% nos lances livres em 27.6 minutos.

Projeções de Posição:

Posição listada: Ala-Pivô

Versatilidade de posição projetada no ataque: Combo Forward

Versatilidade de posição projetada na defesa: Tweener entre as posições 3 e 4

Arquétipo de posição: Offensive Skilled Combo-Forward

Parâmetros Físicos

Altura: 2,08 m

Envergadura: 2,13 m

Contexto Profissional

Assim como Georginho, Lucas Dias jogou no Paulistano, uma equipe que por limitações orçamentárias precisou investir em jovens para seguir em frente. Ao lado também de Arthur Pecos, Wesley Mogi e Yago Matheus, um time de baixíssima média de idade, acabou indo até a final da NBB, podendo ser considerado o destaque da equipe em sua jornada nos Playoffs da liga brasileira de basquetebol.

Dentro do clube, geralmente alternou entre as funções de ala e ala-pivô titular, rotacionando a função durante as partidas, podendo até ser usado como pivô em formações de Small Ball, o ala mais dinâmico da equipe. Como funções principais, foi usado como espaçador de quadra para que seus armadores tivessem mais liberdade para criar e invadir o garrafão, punir jogadores mais baixos no poste baixo usando sua altura e, eventualmente, agir como criador secundário em ações rápidas. Defensivamente, a equipe do Paulistano usa bastante defesa por zona, que pode até ajudar a atenuar as limitações de Lucas. Excetuando em situações específicas (como contra o Bauru, em que marcou Alex Garcia), não era tão exigido na defesa assim, tendo maior papel em entender as rotações e seguir o esquema tático proposto.

Questões Físicas

Para os padrões do NBB, Lucas Dias é bastante alto e longo para atuar tanto como ala e ala-pivô, mas isso é algo que não cabe muito bem para a NBA. Sem uma envergadura chamativa para um ala-pivô e com nítida falta de explosão muscular, impulsão e agilidade, acaba por ser um tweener, sem uma posição estabelecida para defender individualmente a nível de NBA. Em termos de tamanho, tenderia a ser uma ala. Em termos atléticos e de jogo ofensivo, mais voltado para um Strecht Four.

Lucas passou por uma grave lesão em 2016 que causou leves impactos para além da produtividade. Nunca foi particularmente atlético, mas sofreu mais para marcar o perímetro no início da temporada. No geral, sua agilidade lateral é mediana, as vezes consegue mover seus pés no perímetro, as vezes não. Contra adversários mais explosivos na NBA, o mais provável é que seja abaixo da média.

Quando marca o perímetro, costuma ter mais sucesso com seu tamanho. É alto e sua envergadura faz com que seja difícil chutar por cima quando em posição para contestar.

Já no garrafão, a falta de explosão vertical, braços longos e instintos como protetor de aro fazem com que seja um não-fator contestando arremessos na ajuda defensiva ou contra atletas mais fortes/maiores do que ele na área pintada.

Essa falta de explosão também se reflete no ataque. Além de não ser um jogador físico, que gosta de atuar recebendo contato, não costuma se elevar quando recebe bolas perto da cesta, não é um alvo para ponte-aéreas no Pick-and-Roll e nem possui finesse neste ponto da carreira para obter grandes aproveitamentos finalizando na área pintada.

No garrafão, Lucas é melhor quando pune defensores menores ao receber a bola isolado de costas para a cesta, usando de seu tamanho e jogo de pés relativamente eficiente (embora não muito avançado e fluido) para punir os mismatches.

Nos rebotes, sua contribuição é praticamente nula considerando sua posição. Não possui habilidade avançada para coletar ressaltos contestados, o número pode ficar um pouco mais baixo que o comum pela defesa em zona e, por jogar mais afastado da cesta, não costuma pegar muitos rebotes ofensivos com regularidade. Por vezes se perde nos box outs.

Arremesso e Versatilidade Ofensiva

O grande chamariz de Lucas como prospecto é seu arremesso. A mecânica é alta e elevada, sem muito movimento, rápida mesmo quando pressionada e possui um arco alto. No nível do NBB, chuta por cima da maioria de seus defensores e é uma grande vantagem usando como Strecht Four para abrir a quadra e facilitar a movimentação de bola. Não precisa de muito espaço para converter suas chances, apesar de não ser um arremessador tão dinâmico assim. Ainda não mostrou habilidade de chutar após um ou dois dribles quando a defesa vai muito agressiva em seu arremesso parado. Também não é o atleta mais fluido que vai correr por entre bloqueios para arremessar em movimento, bem melhor em situações de catch-and-shot.

Se a habilidade de punir defesa com arremessos de meia distância após poucos dribles ainda não está tão desenvolvida, mostrou flashes de que possui um bom floater para conseguir ser útil neste tipo de situação. É comum que perca o equilíbrio quando encontra mais tráfego e precisa encontrar ângulos mais dificultosos, porém é notável a técnica que tem quando possui espaço para executar.

Como a defesa precisa respeitar seu arremesso e vigiá-lo de perto, acaba recebendo maiores chances de se desgarrar do adversário em cortes sem a bola aproveitamento a “gravidade” que exerce. Os instintos não são tão desenvolvidos e acontecem em menor volume, mas é algo que pode ser utilizado e se desenvolver com o tempo.

Por vezes Lucas pode ser um pouco confiante em excesso em seu arremesso, forçando bolas longas e contestadas no perímetro ainda com tempo para se utilizar no relógio.

Potencial como Role Player

Com suas diversas limitações em termos físico-atléticos, o que mais joga a favor de Lucas Dias é seu encaixe em uma rotação de equipe. Além do espaçamento de quadra, é um jogador inteligente, capaz de fazer passes extras, tanto no perímetro como no garrafão, além de eventualmente executar pequenos pick and rolls secundários, porém uma habilidade que pouco deverá ser usada a nível de NBA considerando seu controle de bola alto e rudimentar.

Apesar do físico não ajudar na defesa, o ala do Paulistano é bastante competitivo. Entende rotações, antecipa espaços, lê o ataque adversário e rotaciona para contestar os arremessos, não é um alvo que se perde quando precisa fazer leituras mais avançadas. Por vezes acaba por assistir a bola e ceder espaços, mas no geral o trabalho é bom.

Fisicamente problemático, o que torna sua projeção problemática na defesa, mas como jogo ofensivo moderno, adaptável a uma variedade de esquemas, Lucas Dias vem sendo pouco cotado, correndo por fora no recrutamento deste ano. O caminho mais natural seria não ser draftado e tentar seguir seu desenvolvimento, seja no Brasil, Europa ou outro caminho que surgir. Caso seja escolhido, seria no final da segunda rodada. A classe internacional pouco profunda pode ajudá-lo e não dá pra cravar nada. Dito isto, seria uma grande surpresa escutar seu nome na noite do Draft.

Projeção no Draft: Não draftado.