PRÉ OU PÓS-BID: OS DIFERENTES TIPOS DE OTIMIZAÇÃO NA COMPRA PROGRAMÁTICA


Em tempos de automatização de compra e venda de mídia, os anunciantes têm cada dia mais alternativas para otimizar a entrega de suas campanhas, de métricas infindáveis a plataformas com features exclusivas.

Neste contexto, talvez uma das grandes evoluções da compra de mídia programática tenha sido a possibilidade do uso do pré-bid. O pré-bid é uma tecnologia que analisa diversos KPIs de um inventário (por exemplo viewabiliy, brand safety etc) antes de “desperdiçar” o bid com uma impressão que pode ser de baixa qualidade. Dessa maneira, tanto anunciante e publisher passam a ter a possibilidade de realizarem uma transação premium e entregar um resultado extremamente superior a seus clientes.

E cada vez mais isso se torna um no-brainer ­para anunciantes e publishers. As empresas atuantes neste setor analisam, diariamente, bilhões de dados relativos à qualidade de inventário, criando uma massa de dados extremamente rica e densa. Estas soluções, integradas a plataformas de compra de mídia, dão a seus usuários um controle muito maior e uma visão muito mais real de seus investimentos e receitas.

Complementando a estratégia de pré-bid, o pós-bid é fundamental para as otimizações de campanha. Essa combinação de pré e pós-bid permite uma análise mais holística da campanha e precisa dos investimentos.

Se o pré-bid permite um melhor planejamento de campanha, o pós-bid traz a possibilidade de melhorias baseadas no histórico da campanha em andamento. As variáveis são enormes, eCPM, websites com melhor performance, dia da semana, período do mês, hora do dia, dispositivo, melhores posições para leads, conversões, cliques — de acordo com o objetivo da campanha e segmento do anunciante — melhor bid médio.

Para exemplificar, se durante a execução de uma campanha focada num público jovem com idade entre 18 e 25 anos, identifica-se que existe maior interação com a campanha no período da noite, em dispositivos móveis. Pode-se ajustar o bid para ganhar mais impressões nesses horários e direcionar mais verba para isso.

Pré ou pós, o importante é que os anunciantes tenham em mente que em um mundo cada dia mais frenético em relação a mudanças na jornada dos consumidores, as plataformas de compra e venda automatizada de mídia estão aí para ajudar e trazer benefícios desde que bem aplicadas em suas estratégias de campanha.

(*) Por Fabio Almeida, diretor de vendas na Gamned!, Vitor Bellote e Alexandre Ramos Flávio da AOL Brasil, originalmente publicado no http://iabbrasil.net/conteudos/artigo/pre-ou-pos-bid-os-diferentes-tipos-de-otimizacao-na-compra-programatica em dezembro de 2016.