Hoje eu acordei me veio a falta de você, bom dia meu bebê

Eu acordei meio mal. Não por uma unha encravada ou pela gastrite atacando logo cedo (apesar de ser 12h00 já), mas talvez eu preferisse que tivesse sido por isso.

Bem, eu sempre fui ótimo em fingir as coisas, e em essência bom em fingir principalmente pra mim mesmo, e sempre lidei bem com isso, até então pelo menos. Eu tive passando os ultimos meses ‘bem’. Fazendo o mesmo esquema de sempre, cê vai tentando se convencer de que não existe um problema na esperança de que ele deixe de existir.

Até que tudo deu aquela tremida recentemente. Mas como sempre, logo me coloquei novamente no trilho (se for pra usar a analogia de um trilho, eu certamente sou um trem desgovernado pronto pra se chocar com um desfiladeiro), e passei relativamente bem a ultima semana, no mesmo esquema de não pensar no problema.

Cê acorda, checa o bafo, se decepciona, e então sentado na cama olha pro espelho, o cabelo ta completamente impraticável, a maior parte arrumada e uns três tufos perdidos arrepiados, se negando a se juntar ao resto. Ok, levanta lava o rosto e quando está com o rosto abaixado molhando-o se lembra, levanta rapidamente como se tivesse se afogando, se olha fixo no espelho e fica aquele gosto meio amargo.

Mas você obviamente não tá pensando naquilo, então rapidamente volta a rotina normal fingindo que não está com tais pensamentos na cabeça. Talvez a pior parte é quando fica muito tempo sem pensar na moça em questão, porque você de fato esquece as vezes, e passa dias sem lembrar. Por um lado é bom, mas quando volta a pensar a queda é com o dobro de altura. Talvez pra descontar o tempo que passou sem.

Hoje eu acordei me lembrando, e talvez seja uma merda mesmo, talvez eu não devesse lembrar de você, mas de alguma forma a natureza, ou o cosmos, ou sei lá, deus, sempre da um jeito de me fazer lembrar. Ou até mesmo eu esteja tentando manter essas lembranças vivas, não como se estivessem a ponto de morrerem, porque nunca morreram, mas vivas constantementes no dia a dia.

Talvez eu nunca te esqueça, talvez eventualmente venha a acontecer, talvez um dia eu ria de como eu pude por tanto tempo ter só uma pessoa na cabeça, mas de alguma forma isso não é mais um problema pra mim. Talvez você só viva comigo pra sempre no que me resta das lembranças mesmo, e não tem como eu reclamar disso.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Junior’s story.