Vida, você entrou na minha vida mesmo com tantas feridas

To com uns projeto aí de escrever todos os dias dessa semana pra provar pra mim mesmo a troco de nada que eu consigo escrever todos os dias dessa semana. É uma luta eterna e interna de ego muito pesada entre me, myself and I.

A verdade é que eu não faço ideia sobre o que escrever, então me desculpe, vou tentar ver onde isso dá.

Eu acho que to vendo muito o Provações do Abujamra (RIP), parêntese rápido para: Nunca me perdoarei por só conhecer ele após sua morte e por nunca participar do Provocações, fecha parêntese. E como vocês bem sabem, eu espero, o programa sempre terminava com a pergunta clássica “O que é a vida?”. Bem, já que eu nunca terei a chance de responder pra ele, tentarei chegar numa boa resposta para o que é a vida.

A verdade é que é muito pessoal a vida, o que é a vida para cada um. Eu por exemplo diria que a vida é um erro talvez, ou o tempo que leva até chegarmos no famigerado sono eterno. A verdade é que eu não tenho certeza sobre o que é a vida, ou o que é a vida para mim. Talvez seja mais difícil pra mim responder por não estar mais vivo por dentro a anos.

A verdade é que a vida é uma merda, na maior parte do tempo pelo menos. Cê pode dizer que é muito show e tal, mas não é. A gente estuda 10 mil anos até ter 18 anos e dai estudar mais ainda, arruma um emprego merda, passa uns 10 anos num emprego que odeia pra ter dinheiro pra sei lá, pra comprar uma casa????

Não sei acho que eu sou alguma espécie moderna de hippie, porque isso não faz o menor sentido pra mim, se a vida é isso, trabalhar 5 dias na semana descansar 1 e beber no outro 1 que sobra, cara, pra que a gente supervaloriza essa merda?

A vida é um lixo. A gente nunca é capaz de fazer o que temos vontade, vivemos uma vida inteira mentindo para nós mesmos, tentando fingir que gostamos do seu emprego lixo, que ainda gostamos da esposa que já não amamos mais, que nos importamos com o futuro do filho que sinceramente vai pouco se foder para nós quando for adulto, que é só uma fase ruim e tudo vai melhorar, que a nossa casa não é o suficiente e por isso temos que trabalhar mais pra comprar uma melhor, que não lembramos mais do tempo de infância quando eramos realmente felizes, que não lembramos da namoradinha da 7 série e não pensamos todos os dias como ela deve estar.

A gente vive mentindo pra gente mesmo, mas não literalmente, a gente mente uma mentira tão escancarada que nem você mesmo se leva a sério.

Mas a vida é boa também, nos intervalos entre ser um lixo e outro. Os pequenos detalhes satisfatórios fazem a vida valer a pena. Acordar com o som de chuva em um dia de folga. Pegar chuva na volta da escola/trabalho (eu gosto muito de chuva como podem notar). Sentir o cheiro de um perfume diferente porém cheiroso pela primeira vez na rua. Rever alguém que a tempos não via mas sempre teve um carinho imenso. Receber um abraço sincero. Ajudar alguém e receber um “obrigado” super sincero com um sorriso no rosto. Eu posso ser muito antiquado, ou careta, mas eu acho essas coisinhas tão melhores quanto sei lá, ganhar um aumento. Eu literalmente não sou um cara fascinado por dinheiro. Sabe, naqueles dias frios de inverno, quando cê enche uma xícara de café, pega com as duas mãos e fica respirando aquele ‘vaporzinho’ do café? Porra isso é uma das sensações mais gostosas do mundo.

Eu acho que a vida é isso, um mal constante, que é interrompido com pequenas coisas que fazem o dia valer a pena. Ou a vida valer a pena.

Eu não sou ninguém. Mas se eu pudesse dar uma dica seria: Não leve a vida tão a sério, não se preocupe tanto, não se estresse tanto, cara a gente tá literalmente perdendo cada segundo que não voltará mais, a gente tá em uma cama de hospital imaginária e tem um conta gotas com o remédio que nos mantém vivo, e a cada segundo uma gota cai, deixando a gente mais próximo da morte, então aproveita. Diz tudo que cê tem pra dizer, não deixa a mágoa te matar, não deixa ninguém que não seja você mesmo fazer isso. Esquece um pouco do dinheiro, aproveita o tempo com seus amigos, porque nem sempre eles vão estar ali, da um abraço na sua mãe, diz pra ela que você ama ela e que você tem muito orgulho dela, mesmo que exista mágoa entre vocês. Esqueça um pouco suas rixas pessoais, esquece que você odeia o fulaninho do xerox porque ele sempre te deseja bom dia e você não suporta a voz das pessoas de manhã cedo. Não ame mais, mas pelo menos odeie menos, tente aproveitar cada dia. Porque você literalmente está sujeito a morrer a qualquer instante, então não deixe que você vá deixando coisas pendentes aqui. Porque pra você não fará diferença, mas talvez pra quem fique, faça.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.