Presente

Eu me lembro quando me apaixonei por você. Daquele dia chuvoso, você me contando seus planos pro futuro e eu maravilhado com sua forma de pensar. No mesmo dia, lembro de quando encostou sua cabeça em meu ombro e sussurrou:

– Vamos nos casar, que tal?

Acho que até hoje não lembro do que se passou na minha cabeça na hora, tudo no meu cérebro se acelerou e eu só soube dar risada da situação.

Eu estava feliz.

Você me aceitava.

Eu me aceitei.

Você me olhava e eu compreendia o quão forte nossas emoções nos influenciam. Nosso amor era a única demonstração de afeto que abusávamos.

Mas nosso amor não era único.

Havia outro amor.

O amor entre ele e ela

Ou melhor dizendo.

Você e ele.

Ele havia chegado primeiro, eu era o penetra. Tentei me convencer que não havia nada de errado, mas não conseguia me imaginar nada além de errando. E feio.

Eu decidi fazer a coisa certa então, fiz a escolha por você. Me afastei. Fui embora.

Tentei me recuperar nesses anos que seguiram, sempre esperando o tempo me curar. Tentei amar outra vez

Mas eu não consigo.

Esses últimos anos vêm sendo os mais difíceis da minha vida e eu não consigo me encontrar em um dia que não penso em você.

Até no dia em que tentei me matar.

Por que eu tenho que estar preso a uma ideia de alguém que amei?

“Eu só quero voltar pros dias em que sua cabeça pesava em meu ombro e ficar preso lá.” É o pensamento que me asila.

Eu sabia lidar melhor antigamente.

As coisas eram mais fáceis quando você estava lá.

Eu me odeio.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated L. A. Gazetta’s story.