Pra Quem Gosta de Nós — Pouca Vogal

Estava em uma madrugada mexendo no celular na aba de recomendados do YouTube. Era obvio que surgiria algo relacionado as músicas que escuto frequentemente e lá estava Pra Quem Gosta de Nós. Imediatamente veio o “refrão” Pra quem gosta de nós é um prato cheio.

Abri o vídeo e resolvi ver os comentários por pura curiosidade e lá estava o comentário de “Canal do Imperador Intergaláctico“ (???) a 11 meses atrás perguntado: “Alguém poderia me explicar a letra? Não entendi direito ”. Como resposta Vítor André da Silveira Duarte respondeu a 8 meses atrás o que entendia da música. Foi nesse dialogo que está baseado a minha interpretação sobre a música. Dado os devidos créditos, here we go!

Gessinger + Leindecker

Formataram a mentira, deram nome: nickname

Sem a senha, só em sonho, impossível acessar

Pra quem gosta de nós é um prato cheio

Lenço no pescoço, laço no rodeio pra quem gosta de nós

(O primeiro verso fala da artificialidade do mundo virtual. O quanto é fácil ser o que não é e ser quem quiser, um ideal, um sonho, aonde um nickname esconde/protege a verdadeira pessoa que está ali por trás da tela.

(Lenço no pescoço e no rodeio é uma referência à tradição gaúcha, afinal ambos são gaúchos, e estes versos representam as características do RS).

Mapearam o genoma, o acaso vai dançar

Sem a senha nem em sonho, impossível disfarçar

Pra quem gosta de nós é um prato cheio

Vento vai veloz vamos sem receio, pra quem gosta de nós

(Mapear o genoma significa estabelecer um padrão (como as sementes transgênicas) de como as coisas tendem a uniformização, pois o melhoramento genético vai eliminando as impurezas, defeitos e fragilidades, proporcionando maior produtividade, com mais qualidade, mas ao mesmo tempo sem novidades, diferenças, o acaso vai dançar. Afinal onde se é possível escolher a cor de uma planta, não será possível escolher o que pensamos? O verso me parece não ter essa pegada de “crítica social foda” (isso fica a cargo pros De Fé), mas de simplesmente ir demostrando a tendência do mundo ao discurso do desenvolvimento e industrialização de tudo e de todos. Tornando-se assim impossível não lembrar de O Admirável Mundo Novo.

Novamente a referência ao Sul mas especialmente ao ditado popular, quando alguém diz que gosta de alguma coisa de gosto duvidoso, ou que outra pessoa não goste, geralmente se diz: “pra quem gosta de merda isso é um prato cheio”. É uma crítica velada aos críticos da música produzida no RS e uma brincadeira com os fãs.)

Asfaltaram os caminhos que voltam ao mesmo lugar

Sem a senha só em sonho, impossível avançar

Pra quem gosta de nós é um prato cheio

Tudo amarrado, caminho do meio pra quem gosta de nós

(Lembro-me de A Violência Travestida Faz seu Trottoir. Criaram-se outros meios de ou melhoraram uma forma de chegar a lugar algum. E que estamos fazendo isso sem nenhuma necessidade, mas com muita visibilidade. Com a referência ao meio virtual posso concluir que saímos das mais variadas guerras no século XX e fomos para as guerras no mundo virtual, onde há suposta ideia de proteção. A Violência Travestida Faz seu Trottoir atualmente no meio virtual, nos likes em páginas extremistas, no follow em perfis preconceituosos, no compartilhamento de teorias conspiratorias…. Com milhares de visualizações, com a voz os indivíduos mais superficiais que não nos levam a lugar algum

Fala-se aqui do caminho do meio, demonstrando que não optam por extremos e com pra quem gosta de nós (fãs) estamos apreciando músicos que são conscientes. Hoje convenhamos que essa é uma qualidade um tanto quanto rara.

Vítor André da Silveira Duarte, o dono do comentário que me inspirou a escrever este texto, afirma que o seguinte verso é uma brincadeira com o nome da estrada que leva ao tempo budista, sendo que Caminho do Meio é uma tradição budista que se refere ao conhecimento do vazio. Vou confinar na sua interpretação.)

Pra quem gosta de nós é um prato cheio

Corda no pescoço, vamos sem rodeio

Pra quem gosta de nós é um prato cheio

Vela vai veloz vamos sem receio

Tudo amarrado, caminho do meio

Pra quem gosta de nós é um prato cheio

Espero que tenham gostado, abraços!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.