Amor, abominação, medo, desespero e esperança.

Sei que o tempo queres voltar
 Sei que para longe queres voar.

Deste ser que ousas amar tens que te desprender
 Para que livre possas viver.

Cativa e lívida te tornaste por um “amor”
 “Amor” este que traz mais dor do que amor
 “Amor” pois o verdadeiro não é entre estalos e beijos,
 Murros e abraços.
 Amor é entre respeito e carinho,
 Prazer e compreensão.
 Amar também é confiar em quem é querido.
 Amar é uma promessa quebrada ao primeiro estalo.

O rio corre como a vida
 Que assim como o tempo não para.

Não vês até onde ele foi
 Com essa violência sem limites,
 E sem piedade?

Tudo porque existem “frustrações”, “desentendimentos” e outros “motivos”.
 “Motivos” que literalmente arrancam à força todo o teu ar.
 “Desculpas” as quais te deixas morrer.

Aquele abraço e beijo são em tudo falsos,
 Aquelas palavras doces são na verdade amargas.
 Vindos do tirano que acreditas ser seu senhor.
 Que a faz sentir fraca e incapaz de lutar.
 Que lhe tira a vontade de viver.

Um dia quase te perdi,
 No próximo não sei se terei a mesma sorte.
 Constantes se tornaram os atentados contra a tua vida.
 Tamanha é aquela brutalidade e malícia sem piedade
 Que atormentam a tua vida
 Enquanto calada te deixas falecer.

O tormento continuará enquanto te iludires com falsas promessas.
 Não és a primeira e infelizmente nem a última
 Neste vicioso ciclo entre agressões e humilhações.
 Neste labirinto escuro e infeto.
 Porém como qualquer outro labirinto existe uma saída.
 Basta quereres encontrá-la.

Não precisas sofrer nestes escombros
 Os quais deveriam ser um lar.
 Sonhos agora corroídos
 Numa cirrose de depressão
 Caladas são suas palavras pela repressão.
 Para quê entregar a tua vida a ele?
 Para quê não resistir?

Dê a si mesma um gole de vida
 Enche-te de alma
 Ao contrário deste ser que fere por vaidade e ganância.
 
 Consegues ouvir as vozes que chamam por ti?
 São todos que te querem bem.
 Consegues sentir a brisa que lhe indica o caminho?
 É a esperança que ainda resta em ti.

Não te escondas deste terror.
 Não cale as suas emoções e sentimentos.
 Lute ao chamar por nós e denuncie esta tirania
 Para que ainda sejas viva não só de corpo mas também de alma.
 Acredite, estamos a caminho!

Lute por ti e lembre-se de tudo que move os teus sonhos,
 Lembre de quem te é querido e te estima.
 Use isto para mover a tua vontade contra o ferro imposto sobre ti.

Sei que não podes voltar no tempo
 Mas sei que podes construir o teu futuro.
 Sei que não podes voar
 Mas sei que podes rumar com seus pés o seu próprio trilho.
 Carregando assim os teus sonhos como um filho.

Seja livre de ser quem quiseres e necessitares ser.
 Não pense em futuros arrependimentos.
 Não temas, pois nós somos os bravos.
 Estamos aqui por ti!
 Basta lutares
 E verás que nunca estarás só

“Porque me cativaste, encontrar-me-às sempre entre o aqui e o agora”

Saí contigo só para comemorar a vida que não perdeste. Ainda não sei se foi por fixação ou por psicose que levou-te a neurose de te agarrares a morte. Naquele café disseste que na derradeira noite tudo tinha se tornado cinza, que ali seria o seu fim, contudo, ainda tiveste forças para protegeres o teu forte: as lembranças de tudo aquilo que acende a tua alma. Aposto que por essa resistência aquele prepotente não esperava.
 As feridas lavadas, seu suplício agora ouvido. O trauma agora lutas para superar. Crescer jovem e crescer velha para ti deixaram de ser o mesmo. Viste outra alternativa para além da dor. Agora preservas em ti a vontade de viver.
 Aos poucos, o tempo afasta de ti o medo, os seus olhos enchem-se de brilho. Seu futuro será mais certo do que incerto.
 Sei que corres das sombras do passado, que temes pela tua vida, que sentes humilhada por teres passado por este sofrimento por seres mais carne do que humana.
 Disseste a mim que a sua mente fora transtornada pelas palavras vis daquele tirano que ao longo do tempo enfraqueceram a estima que tinhas por si mesma. E assim sofreste calada a pensar que todos te rejeitavam, que eras feia e burra, um monstro quando na verdade era ele a aberração.
 Foi a essa realidade que sobreviveste e pesadelo que faz com que acordes sobressaltada todas as madrugadas. Pensas que ele pode estar em qualquer sitio, que a qualquer momento ele pode puxar-te pelo braço.
 Foi a essa realidade que sobreviveste e pesadelo que faz com que acordes sobressaltada todas as madrugadas. Pensas que ele pode estar em qualquer sitio, que a qualquer momento ele pode puxar-te pelo braço. Contudo, és muito mais que carne, és um ser vivente capaz de expressar um bonito sorriso. Alguém que olha por mim, que ri da minha folia, que é meiga. És parte de mim, pois me cativaste e, por isso, encontrar-me-às sempre entre o aqui e o agora.

Proclame ❤ ao mundo.
Obrigada!