Resenha

Audiodrama do War Doctor Volume 1 — Only the Monstrous

Big Finish

Episódios:
The Innocent
The Thousands Worlds
The Heart of The Battle

O produtor executivo Nick Briggs, é responsável por escrever as histórias deste audiodrama, por dirigir e dar voz aos Daleks tal como acontece na série televisiva.

Voltamos para 2013, onde fomos apresentados ao War Doctor em “The Name of The Doctor”. Este foi o Doctor que diz não ser o Doctor — a fim de fazer o que tinha que ser feito. O War Doctor é interpretado pelo lendário Sir John Hurt. Esta versão enigmática do Time Lord teve um papel importante no especial de 50 anos e, graças a Big Finish, o War Doctor agora não se vê mais confinado a um episódio. Agora temos a oportunidade de acompanhar as suas aventuras durante a Time War em uma nova série de audiodramas. As suas aventuras estão divididas numa série de 3 volumes Only The Monstrous, The Infernal Devices e, em breve, Agents of Chaos..

O War Doctor é quem toma a mais difícil das decisões, decisões de que nenhum outro Doctor teria se atrevido a fazer. Nesta série temos uma visão mais profunda e pessoal do Doctor de John Hurt e exploramos o conflito emocional está acontecendo dentro dele. Ele se odeia por aquilo que ele se tornou e pelo que ele foi forçado a fazer durante a Time War, no entanto, apesar do quão trágico e amargo ele se tornou, este ainda consegue ser o Doctor quando ele escolhe defender o planeta de Keska da aliança Dalek e Taalyen.

Neste primeiro volume temos um Doctor cansado de perder vidas, com ideias brilhantes e determinado em proteger o universo. Visto também como perspicaz, irônico e compassivo. O War Doctor é uma figura austera e arrependida cujo objetivo é trazer a paz, mesmo que para isso ele tenha que fazer frente aos outros Time Lords.

Além de John Hurt contamos com Lucy Briggs-Owen que foi brilhante em representar o carinho e a coragem que Rejoice tem pelo Doctor e pelo seu povo Keskan, enquanto que Beth Chalmers é a teimosa Time Lody Veklin que é lacaia da rainha do gelo e manipuladora Cardeal Ollistra (Jacqueline Pearce). Ollistra é uma Time Lady que tem muitas cartas na manga, que ambiciona ganhar a guerra a todo o custo, e não tem medo de usar vidas inocentes como peões para fazê-lo. Estes são só alguns dos personagens da história.

No início da história observamos o Doctor a se recuperar de um incidente no planeta Keska, um mundo milagrosamente intocado pela Time War. Ajudando na sua recuperação encontramos Rejoice, uma jovem que otimista que deseja proteger o seu povo dos Taalyen. É neste ponto que a história se desenrola demonstrando que o Doctor se preocupa com todos aqueles que valorizam a diplomacia e a bondade no lugar de conflitos e conquistas.

Em três horas de imersão aos verdadeiros horrores da guerra, com o Doctor testemunhando mil mundos escravizados pelos Daleks, inúmeras vidas inocentes sofrendo, e vendo o seu próprio povo desesperado em usar os meios mais absurdos para acabar com a guerra, não importando a que custo. Todos estes acontecimentos forçarão o Doctor a fazer escolhas terríveis para salvar a vida de muitos.

Only The Monstrous é um arco épico. É uma história que começa num ritmo lento mas que evolui para um final de tirar o fôlego. A história apresenta momentos de ação muito bem sonorizados onde você sente a ansiedade e o pavor que a guerra contra os Daleks gera, nela também contamos com dilemas morais e o peso das escolhas do Doctor.

John Hurt e Nicholas Biggs provaram que o infame War Doctor é tão icónico quanto os outros doze Doctors.

Briggs foi capaz de criar uma história de guerra muito poderosa que era mais do que apenas Daleks e Time Lords atirando uns nos outros. A história inclui referências da série clássica, explora o conceito de viagem no tempo. Além disso, o tema de abertura lança o ouvinte num estado de grande alvoroço.

Este volume explora questões profundas como a importância da paz; quando devemos ter em consideração sobre o que vamos perder e ganhar com as nossas vitórias; quando escolhas difíceis têm que ser feitas, às vezes em questão de segundos, e o peso de perder vidas inocentes e a sua própria alma quando você tem que fazer o que é certo.

Only The Monstrous é algo que você vai querer ouvir. A história em si é forte, os Daleks fazem mais do que apenas latir “Exterminate”. Os personagens secundários são perfeitos, a direção e a sonorização é boa, e a atuação de John Hurt perfeita!

Proclame ❤ ao mundo.
Obrigada pela leitura.