A MENTIRA ALÉM DE PERNAS CURTAS TEM MENOS DEDOS.

Como disse o General Geisel, a abertura para o regime democrático deverá ser lenta e gradual. Alicerçado em princípios da revolução para uns, golpe para outros, o fato é que o regime militar deixou princípios bem claros sobre como deveria ser a defesa da ética e da lisura no trato da coisa publica.

Nessa época um partido tomou essa bandeira como lema de aglutinação do povo e conseguiu com isso eleger o primeiro operário à Presidência da Republica. Aquele partido chamou-se Partido dos Trabalhadores. Já faz algum tempo passei a chamar o ex-presidente Lula de Pinóquio da Silva.

Tomei essa atitude porque em outubro de 2002 votei nele contra o José Serra, acho o Pinóquio da Silva um farsante, mentiroso e populista da pior espécie. Então porque votei nele? A época, o outro candidato era José Serra, que é mais inteligente e muito mais preparado do que o Pinóquio da Silva, só que com o Serra a “venezuelização” do Brasil já teria acontecido. Acho o José Serra um perigo é um déspota sem nenhum escrúpulo. Matou a pau a candidatura do Paulo Renato, ex-ministro da Educação do FHC, e candidato preferido do partido, lembram-se do cofre com dinheiro na casa da Roseana Sarney?

O Serra esteve por trás desses fatos, limpando o seu caminho sem nenhum escrúpulo, então o que sobrou foi o Pinóquio. De 2002 para cá temos visto uma novela da pior espécie sobre os atos do Pinóquio e seu partido que já há algum tempo eu chamo de gang.

A diferença entre o discurso e a pratica tem sido a pedra de toque do PT. Do Pinóquio a Dilma o discurso tem sido o de probidade em defesa do interesse público e em especai, do trabalhador brasileiro e na pratica o que se vê é exatamente ao contrario.

Nunca antes nesse País o trabalhador foi tão roubado pelos seus supostos defensores. Na realidade o que remos visto é uma sucessão de manobras para enriquecimento próprio e de seus asseclas além de um plano pobremente urdido com o objetivo de transformar o Brasil em uma republiqueta de esquerda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.