SE COLOCAR LONA….VIRA CIRCO?

Segundo José Simão, colunista da Folha e da radio Bandnews, em algumas instituições brasileiras se colocar grades vira zoológico, se murar vira presídio, se colocar lona vira circo e se botar luz vermelha…

Creio que cada cidadão que faz parte da população brasileira razoavelmente informada, após 13 horas de debate no Supremo, achou o seu lugar preferido para colocar a mais alta corte brasileira.

Em minha modesta opinião não se trata da flagrante divisão existente dentro do STF. Trata-se da forma titubeante com que seus pares se posicionam sempre que existe o elemento político envolvido.

A cada dia que passa os julgamentos na corte são conduzidos de forma a deixar claro que sim, existem duas classes no Brasil. Os que têm mandato e, portanto, estão protegidos e o cidadão comum que sofre os rigores da Lei.

Têm sido comuns julgamentos da Corte mudarem de rumo com o passar do tempo. Por exemplo, o ex-deputado Eduardo Cunha, antes de ser cassado pelos seus pares, já tinha sido afastado do mandato pelo STF com o voto de seus 11 membros, ou seja, por unanimidade.

Desde que o STF entrou em cena para punir o senador Aécio Neves, o instinto de sobrevivência despertou. Com 35 dos seus membros envolvidos na Operação Lava-Jato o senado pressionou a corte a rever as punições contra o senador.

Na época do afastamento de Eduardo Cunha, o Ministro Marco Aurélio, cognominado o decano, disse que a iniciativa não era drástica e estava prevista no Código de Processo Penal.

Ocorre que no caso do senador Aécio, o magistrado teve uma nova interpretação: o mesmo Código de Processo Penal já não se aplica a deputados e senadores.

Entendo que o confronto não é natural da democracia. Acho que o STF tomou uma atitude sensata evitando um confronto que não nos levaria a lugar nenhum.

O triste é que a pacificação só aconteça à custa da credibilidade da instituição. É difícil a vida do cidadão comum quando a Suprema Corte muda de opinião de tempos em tempos ou quando os julgados têm mandato.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.