Madrugada, 30km de percurso e uma aventura inesquecível!

Domingo, dia 17 de maio, quatro horas da manhã eu estava acordando pra começar a organizar minhas coisas pra fazer um dos maiores desafios que já realizei: participar de uma corrida de aventura. Fui participar 10ª Papacorrida de Aventuras, realizada no interior de Venâncio Aires. A largada da prova estava marcada para as 6 horas da manhã do domingo e a prova consistia em 6km de trekking, 19km de bike, 3km de boia cross, falsa baiana e mais 2km de trekking pra finalizar, totalizando 30km.

Até ai não teria problema, o porém é que a prova é de orientação, ou seja, você ganha um mapa, uma bussolá e TE VIRA!

Parte do mapa: tá vendo os “PCs” marcados ali? É onde a gente tinha que ir!

Chegamos ao local da largada um pouco após as cinco da manhã, organizamos tudo, pegamos as últimas orientações e nos preparamos para a corrida. A prova seria realizada em dupla e vários amigos participavam junto comigo pela primeira vez de uma corrida de aventura! Ansiedade geral sobre o que iríamos ter de encarar nesses 30km.

A largada ocorreu as 6h30 e já no primeiro PC (o primeiro ponto da corrida, segundo o mapa acima) nos perdemos! Ficamos um bom tempo até conseguir se localizar no mapa… E isso porque ouvimos que tradicionalmente o PC 1 era o fácil de achar. Essa hora bateu o desespero: se nos complicamos no primeiro imagina nos quinze restantes da prova.

Domingo, 6h30, cerração. Eu com certeza estava pensando: “o que tô fazendo aqui?”

Os próximos PCs não foram tão complicados para achar como o primeiro, acabamos achando até o PC 5, que já se encontrava dentro de mata fechada. Após o PC 5 é que erramos de forma mais grave na navegação e acabamos indo para o PC 7, em vez do 6 — o que resultou numa volta enorme e desnecessária para chegar à ordem da prova.

Chegamos ao primeiro ponto de transição que é onde pegamos as bicicletas e partimos para as trilhas. Essa parte da prova se resumiu basicamente em trilhas e “empurra bike”: uma trilha muito íngreme pra subir pedalando que era necessário empurrar a bicicleta. As subidas e o “empurra-bike” foram sofridos, mas tudo valeu a pena nas descidas nas trilhas dentro da mata. Adrenalina a mil e visual de tirar o fôlego!

Isso é empurra-bike.

Até o PC 10 as subidas foram difíceis e cansativas, cheias de tombo dos participantes. Em um “empurra-bike” eu acabei resvalando e caindo em cima da bicicleta — joelho roxo!

Um amigo meu acabou voando da bicicleta e dando um mortal pra frente! Mas após tudo isso achamos o maldito PC 10 e finalmente saímos da mata e fomos pra estrada de chão, mais fácil de se localizar. Até o PC 14 não nos perdemos mais e encontramos até com certa facilidade os outros pontos de transição da prova.

O PC 14 era o segundo ponto de transição, largamos as bicicletas e voltamos para a corrida, dessa vez com as boias, pois logo iriamos fazer o boia cross, 3km rio abaixo, água gelada e praticamente nenhuma correnteza. O boia cross apesar de não parecer difícil foi uma das partes mais demoradas da prova, pois realmente não rendia, não conseguíamos fazer render a descida até o PC 15.

Foi mais de uma hora rio abaixo, até chegarmos no PC 15. Finalmente chegamos no último PC da prova antes da chegada, faltava somente fazer a falsa baiana (uma corda de uma ponta a outra do rio que no meio ficava o PC que precisava grampear para seguir adiante). Após realizar a falsa baiana faltava somente mais 3km de caminhada para a chegada. Cortamos dentro do mato mesmo para atalhar, poupamos um baita tempo mas acabamos ficando cheio de mamonas HAHAHAHA. Eu estava com mamona no cabelo, pescoço, braço, perna, tudo! Após atravessar esse mato e sair num milharal finamente vimos a chegada após mais de sete horas de prova.

O boia cross que não rendia.
A falsa baiana.

Chegamos, conseguimos pegar todos os PC, ao total foram sete horas e meia de prova. Muito barro, muita subida, muitas trilhas, muitos tombos, mas valeu a pena. A sensação de conseguir completar uma prova dessas é algo fora do comum. Preciso agradecer aos amigos que encararam essa aventura comigo pela parceria de prova e preciso agradecer também ao Instituto Papaventuras que organiza essa prova uma vez por ano aqui no interior de Venâncio Aires. Que prova sensacional, que domingo. Que venha a 11ª Papacorrida!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.