Ano Novo, velhos hábitos?

E mais um ano chega ao fim e um novo se aproxima.

Não direi que espero que 2016 seja melhor que 2015, pois sei que quem tem que ser diferente, quem tem que ser melhor do que foi, sou eu.

“Ano novo, vida nova”, “2016 tudo vai ser diferente”, “Que 2015 vá embora e leve tudo de ruim pra 2016 ser bom”, “vou usar branco pra ter paz”, “estou de vermelho pra achar um amor”, “amarelo, pra ter muito dinheiro em 2016”. Ouvimos muito isso, não? Mas do que adiantam promessas, desejos e superstições se continuamos sempre os mesmos? Não fazendo nada de real para que o ano seja realmente novo?

Também não direi que 2015 foi horrível e nem espero que a simples passagem do relógio, do dia 31 pro dia 01, fara tudo mudar pra melhor em um passe de mágica. Tenho plena consciência que se 2015 não foi bom — e não foi, infelizmente — foi por atitudes que tomei e erros que cometi. O que podemos fazer é aprender com esses erros para que o ano seja novo de verdade e não apenas um termo, uma nomenclatura.

E é isso que desejo a todos. Que possamos fazer de 2016 um ano novo partindo das nossas escolhas e de nossas ações e, assim escrever um novo capítulo em nossa história.

Vamos todos juntos fazer de 2016 um Ano Novo!!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gustavo Amaral’s story.