Morre aí

Todo sonho se destrói
Pela agudeza dos ferros a entrarem na carne,
O frio penetrando nos sentidos
Dizendo: não tens agasalho, morre aí,
e o onírico se corrói… 
a remoer o veredito da falta e da matéria, gritando:
 — Morre aí!