Mata Atlântica no Terra Madre 2016

O mundo descobre o Cambuci e a riqueza alimentar brasileira

Entre os frutos mais consumidos pelos brasileiros, como banana, laranja 
e mamão, talvez só a goiaba represente um fruto original da Mata Atlântica. A diversidade encontrada nos biomas é enorme, muitas espécies ainda são vistas em pomares e mesmo em áreas que resistiram à urbanização, mas não no cardápio do dia a dia. Poucos paulistas conhecem o Cambuci e, por isso, sua ida ao Terra Madre, maior encontro do movimento Slow Food, na Itália, representou um caminho de volta: a busca por valorizar no mundo o que precisamos reconhecer aqui dentro.

“Estamos levando dezenas de alimentos artesanais e espécies nativas, chamando atenção para que sejam conhecidos pelo olho estrangeiro e, sobretudo, pelo próprio morador da terra. 
O Cambuci representa os frutos 
da Mata Atlântica do Sudeste, primeira floresta a sofrer com 
a devastação, mas também onde estão as maiores cidades, restaurantes e grandes cozinheiros. No mundo todo, 
é crescente o movimento de se voltar para os próprios recursos, buscar os ingredientes menos convencionais e que deixamos 
de usar”, destaca Marcelo Podestá, facilitador regional 
do Slow Food Brasil.

De fato, o Terra Madre, que aconteceu entre 22 e 26 de setembro de 2016, 
na cidade de Turim, envolveu os produtores e os responsáveis diretamente ligados à cadeia desses alimentos, a exemplo do Instituto AUÁ ou da Central do Cerrado, que levaram derivados de Cambuci, Baru, Pequi e outros tesouros para o público de 5 continentes. “Pessoas que lidam com a terra 
e com os recursos naturais são chave na missão de não deixar que esses produtos se percam”, reforça Podestá.

Do Brasil, aproximadamente 80 delegados de diferentes regiões trouxeram riquezas como como o Maracujá-da-catinga, Berbigão de Santa Catarina, Cervejas artesanais, Goiabada cascão de São Bartolomeu, Licuri, Baru, Vinhos naturais do Sul, Coquinho azedo, Peixes brasileiros, Guaraná da Amazônia, Mel de abelhas nativas, Queijos artesanais, Butiá, Cambuci, Cacau de cabruca e Pimentas de Minas Gerais, entre outras joias.

Uma diversidade de idiomas, cores e conhecimentos tradicionais também se misturou em torno do alimento limpo e justo, com representantes de mais de 140 países no encontro. A intensa programação de palestras e oficinas tratou de temas relevantes para a soberania alimentar dos povos, como “A agroecologia pode alimentar o mundo?”, “Agromáfia e falsificação da comida” e “Um outro mundo é possível e necessário”.

E os três objetivos do encontro inspiraram ainda mais a produção alimentar artesanal: Como se tornar agricultor, por meio das comunidades de agricultores e pescadores do mundo inteiro; Como se tornar coprodutor, enfocando os consumidores, já que comer é um ato agrícola; e Como se tornar jardineiro, sobre como conhecer, amar e cultivar a terra.

O QUE É O TERRA MADRE E O SALÃO DO GOSTO?

São os mais importantes eventos internacionais dedicados à comida e à gastronomia com organização do movimento Slow Food. A 11ª edição do evento aconteceu em setembro de 2016, na região do Piemonte, na cidade de Turin, Itália.

O SLOW FOOD: Movimento com mais de 100 mil membros de 150 países, foi fundado pelo italiano Carlo Petrini em 1986, com a filosofia de valorizar o prazer da alimentação baseada em produtos de qualidade especial, que respeitam o meio ambiente e as pessoas responsáveis por sua produção. Opõem-se ao fast food e aos alimentos altamente industrializados. E lembra que comer é uma forma de nos relacionarmos com o que nos rodeia — 
a paisagem, a biodiversidade, a terra e nossas tradições.

Marcha "Amor a Terra" , conduzida por Carlo Petrini, reúne 140 países e público local pelas ruas de Turim

ARCA DO GOSTO : Catálogo mundial do Slow Food que identifica e divulga sabores quase esquecidos de produtos ameaçados de extinção, mas ainda vivos, com potenciais produtivos e de resgate da verdadeira riqueza de alimentos que a terra oferece!

Fruto raro e ameaçado da Mata Atlântica, o Cambuci recebeu o certificado de produto da Arca do Gosto durante o evento.

Gabriel Menezes, do Instituto AUÁ, recebe o certificado das mãos da Chef Ana Tomazoni, do Slow Food — Convivium ABC
“Foi uma satisfação perceber como os estrangeiros despertaram para 
a importância de um produto tão paulista como o Cambuci, encantando-se 
ao saber que o fruto sobrevive em ‘manchas’ de floresta, ameaçadas pelo crescimento da maior cidade do país. É impressionante estarmos numa região tão urbanizada e devastada, com quase 23 milhões de habitantes, e possuir espécies tão raras que resgatam o conhecimento de pequenas comunidades 
no que restou da Mata Atlântica” — Gabriel Menezes, presidente 
do Instituto AUÁ e gestor da Rota do Cambuci e do Empório Mata Atlântica.
Público italiano experimenta e aprova o sabor do Cambuci

NÚMEROS DO EVENTO

1 milhão de ativistas, 100 mil membros do Slow Food e 7 mil delegados 
do movimento passaram pelo Terra Madre 2016!

Eles representaram cerca de 1 mil comunidades alimentares 
de mais de 140 países.

O Brasil esteve presente com cerca de 80 delegados e mais 
de 20 produtos artesanais de diversas regiões do país.

Egito, Angola, Azerbaijão, Pernambuco — Brasil, Irã, Paraguai, Slovenia, Amazônia — Brasil

Oficinas & Degustações

Fique por dentro dos principais momentos do Cambuci e do Brasil 
no Terra Madre 2016

Oficina e Degustação de Caipirinha de Cambuci com a chef Ana Tomazoni
Aliança de Chefs Brasileiros
Meliponicultures brasileiros no encontro Let it Bee sobre méis do mundo
Encontro de mulheres sobre a importância do Amor à Terra
Prefeito da cidade de Chieri recebe a delegação brasileira
Reunião Slow Food Brasil

Veja também como foi a participação das lideranças, comunidades e produtos dos 5 continentes!

Bebida a base de açafrão do Afeganistão | Butiá do sul do Brasil | Cafés da Guatemala
Cambuci da Mata Atlântica | Castanha de baru do Cerrado | Chás da China
Chimarrão gelado do Paraguai | Comunidade e ingredientes da Tanzânia | Comunidade e produtos egípcios
Doces da Albânia | Especiarias da Indonésia | Grãos da Etiópia
Guaraná da Amazônia | Iguarias das Filipinas | Mel da jandaíra do Rio Grande do Norte
Oficina de chocolate com cacau de Angola | Panela (rapadura) Colombiana | Povo e produtos no Senegal
Povos de diversos países | Produtos a base de agave — Equador | Produtos da Indonesia indígena
Produtos a base de Sálvia — Equador | Queijos da França | Queijos da Suiça
Queijos especiais da França | Salame de pata negra da Suiça
Salames Artesanais

Confira a cobertura publicada pelo Instituto AUÁ nas redes sociais:

Cambuci — https://goo.gl/ncjowa

Butiá — https://goo.gl/ggFAK1

Licuri — https://goo.gl/pQbpeh

Guaraná — https://goo.gl/fT0kD0

Frutos da Amazônia — https://goo.gl/x8xUjR

Cambuí — https://goo.gl/vKWU8M

Rainha do Sertão e Uruçu de Chão — https://goo.gl/aB2MWN (Blog Entremeios)

Degustação de Caipirinha de Cambuci — https://goo.gl/37OImi

Marcha “Amor à Terra” — https://goo.gl/0mQ7G4

Notícias oficiais sobre o Terra Madre | Salone del Gusto 2016 (inglês e italiano): http://www.salonedelgusto.com/en/news-archive/

Galeria de Imagens no site oficinal do Terra Madre | Salone del Gusto: http://media.slowfood.it/TMSDG2016/Momenti-di-Terra-Madre-e-Salon/