66 mulheres de 15 povos discutiram as dificuldades para a sua participação na política, os desafios enfrentados na educação e na saúde indígenas e as ameaças aos direitos indígenas previstas para 201

Textos e fotos: Marina Rabello | RCA

Image for post
Image for post

Cantando e de mãos dadas, sessenta e seis mulheres indígenas, de diferentes gerações, caminhavam na estrada de terra que liga a aldeia Kwapoy’wyry ao Centro de Formação e Documentação Wajãpi (CFDW), na Terra Indígena (TI) Wajãpi, no Amapá. Durante os cerca de vinte minutos de trajeto, a corrente não se desfez, nem diminuiu o ânimo das mulheres para entoar os cantos, ainda que em uma língua desconhecida, já que a cada momento eram puxados por representantes de diferentes etnias. …


Na aldeia Kaspakuru, no rio Trombetas (o Rio Kahu, de onde vem o nome Kahyana), este povo celebrou por quatro dias o seu modo de vida e reivindicou a demarcação de seu território tradicional

Image for post
Image for post
Os Kahyana festejaram por dias seguidos para celebrar o seu modo de vida e reivindicar a demarcação de sua terra tradicional. Foto: Denise Fajardo

Em uma dia de céu azul e ensolarado na região norte do Pará, duas voadeiras cortavam as águas do Trombetas levando os Kahyana e seus parentes Katxuyana, Txikiyana, Tiriyó, Yaskuriyana, dentre outros tantos yanas que vivem de longa data na região, que, reunidos, cantavam animadamente, com seus maracás, celebrando a sua estreita e antiga relação com este rio, para eles chamado Kahu. O som das flautas masculinas Katamu, parecido com o de um berrante, anunciava a chegada, à aldeia Kaspakuru, de homens e mulheres, velhos, adultos e crianças vindos da aldeia Purho Mïtï, lindamente enfeitados com pinturas corporais, vestimentas e adereços festivos , para uma grande festa dedicada à força de sua cultura, e de sua conexão com este território, habitado por seus antepassados há incontáveis gerações. …


Além de trocarem experiências, os agentes discutiram sobre as principais ameaças aos seus direitos territoriais e aprenderem novas técnicas de manejo sustentável

Image for post
Image for post
O acompanhamento das atividades de campo dos ASA ocorreu na região da aldeia Kurumuripopy

Dando continuidade ao processo de formação de agentes socioambientais wajãpi (ASA), iniciado em 2015, o Iepé realizou, entre o final de abril e o início de maio, mais uma etapa de acompanhamento das atividades de campo dos cursistas, e, em seguida, o oitavo módulo do curso de formação dos ASA. Neste módulo, foram discutidos o histórico e a atualidade do processo de colonização afetando os povos indígenas, a organização política do Estado brasileiro e o andamento dos experimentos de plantio que vêm sendo implementados pelos ASA desde julho de 2017. …

About

Iepé - Instituto de Pesquisa e Formação Indígena

Instituição que atua para o fortalecimento cultural e político, e para o desenvolvimento sustentável de populações indígenas do Amapá e do Norte do Pará.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store