A internet está te emburrecendo ( ou corpo fitness, mente sedentária.)

Antes que a galera fitness venha me xingar deixo claro que eu não estou dizendo que a galera do six pack é burra e esses outros clichês. Na verdade o que eu vou dizer não tem nada a ver com u grupo de pessoas específicos, e sim de algo muito mais geral, que vem acontecendo com cada vez mais frequência em nossa sociedade. E acredito que se todos nós pararmos par refletir sobre, quase todos chegaremos a conclusão que estamos sedentarizando a nossa mente.

Ao mesmo passo que a sociedade cada vez mais valoriza o cultivo do corpo saudável, e dessa forma aumenta cada vez mais o número de adeptos a uma rotina que atividades físicas, alimentações saudáveis e que persegue a qualidade de vida, ela também está sedentarizando a mente. Isso ocorre, pois a mesma tecnologia que permite que as pessoas tenham fácil acesso a informações de treino, alimentação, e praticas que elavam a qualidade de vida, também gera uma comodidade no que diz respeito ao pensamento, e ao desenvolvimento do intelecto das pessoas.

Pense bem, a alguns anos atrás se você quisesse acompanhar algum site ou blog você precisava entrar todo dia no blog, e várias vezes ao dia para ver se tinham algum post novo. Se você quisesse conhecer novas bandas e cantores de estilo parecido com as que você já conhecia, era preciso que você ficasse pesquisando na internet por alguns bom minutos, em diversos sites de música, e mesmo assim as vezes não era sempre que você achava. E se era complicado de achar músicas, imagina então descobrir novos autores que escreviam sobre temas que você se interessava então… é ruim até de lembrar, não é mesmo?

Porém nos dias de hoje temos uma facilidade tão grande de fazer isso, e existem tantos mecanismos que passaram a realizar essas tarefas por nós que essas coisas simplesmente em nosso email e time line, ou recebemos notificações no celular, que não é mais necessário realizar esse tipo de “ atividade de pesquisa”. E apesar de isso parecer maravilhoso, isso acaba gerando um sedentarismo mental e até mesmo um conformismo.

Ao entrar no youtube ou no spotfy, escolhe-se uma música, apenas uma música, e na sequencia já vem toda uma playlist de reprodução automática. Ao assinar uma newsletter de um site ou blog, passa-se a chegar na sua caixa de entrada diariamente os conteúdos desse site. Entra-se no site de uma livraria e pesquisa um livro e embaixo já aparecem inúmeros livros relacionados, ou os famosos “ Quem procura este item também se interessa por…”. Ou seja, nós deixamos de buscar conteúdo e passamos a receber, e aceitar, conteúdos prontos.

É o mesmo processo que sedentarizou o ser humano, que antes o ser humano tinha que procurar e caçar os alimentos na natureza, depois passou a plantar e criar o esse alimentos, mais tarde passou a comprar esses alimentos nos mercados, e atualmente pede esses alimentos já prontos em casa por delivery, sem poder opinar muito no modo de preparo desse alimento e nos ingredientes nele utilizado. Atualmente nós estamos aceitando um “delivery” de conteúdos e conhecimentos, e assim deixamos de experimentar novos alimentos e temperos para o nossa mente, e isso nos emburrece de certa forma.

Assim, a internet que é considerada a evolução da televisão no que se diz respeito a comunicação e propagação de conhecimentos e informações, por possibilita que as pessoas passem a ser sujeito ativo da construção de ideia e conhecimentos, esta se desvirtuando um pouco desse propósito e esta tornando as pessoas cada vez mais passivas e coniventes a imposição de conteúdos e conhecimentos.

Deste modo, ao invés de expandirmos os nosso conhecimentos e estarmos sempre descobrindo coisas novas, opiniões e realidades diferente, que nos levem a refletir e evoluir intelectualmente, estamos vivendo em pequenas “bolhas” de conhecimento formadas a partir das “recomendações”. É como se a internet fosse uma piscina gigantesca, mas que cada pessoa nadasse apenas na sua própria raia, ainda que não perceba que está fazendo isso. E assim, temos a impressão que estamos em constante contato com uma imensidão de informações e conhecimentos, mas na verdade estamos cada vez mais limitados às nossas, e mentalmente sedentários.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.