JÁ FUI UM IDIOTA

Sim, já tentei manipular Deus e pessoas. Sim, já desejei realizar milagres em “nome de Jesus” e ficar conhecido. Sim, já quis ter uma mega igreja por razões óbvias de um pastor evangélico. Sim, já dei respostas prontas para pessoas que só vieram para serem ouvidas e amadas.

Sim, já sonhei ser como Charles Finney que numa ocasião no século dezenove entrou em uma fábrica de tecidos e todos caíram no chão e começaram a chorar (uauuuu, quem não proporia uma boa oferta pra receber esta unção? ).

Sim, já fiz discípulos pra mim. Sim, já machuquei e defraudei a inteligência alheia. Sim, depois de orientar alguém e esse não seguir a orientação e se deu mal, falei comigo mesmo: viuuuu?!!!

Enfim…

Já fiz coisas boas também. Mas pra não correr o risco de ficar imbecil novamente, não vou relatar. Hoje só quero viver boas amizades e irmandades. Viver com pessoas que eu possa amar e se possível ser amado.

Que não me confundam com o título que me foi dado e que na verdade não o tenho por muito amigo. Quero só viver com minha família as boas experiências de um bom evangelho, esquecendo daquelas que por algumas vezes quase mataram nossa fé, e por pouco as facadas dos que se diziam amigos não fizeram os meus acharem que a verdadeira vida de igreja corpo era mentira.

Desejo andar com pessoas simples de coração, independente de suas posses. Pessoas que amem os necessitados e me perguntem: “o que podemos fazer”? Unção? Alguns dizem que a unção tem um preço. Se tem preço não é dádiva, mas negócio. A graça não negocia, mas reparte com quem ela quiser.

Já recebi imposição de mãos e oração de homens “top” como Ricardo Rodriguez, Carlos Anacondia, Reinhard Bonnke, Benny Hinn, Charles e Frances Hunter, e tantos outros. Mas um dia quando estava com Dave Roberson ele me falou em inspiração profética: “tu não precisa nada de mim mas sim Dele”.

Hoje, vermelho como um pimentão, deitado no peito do mestre, fico pedindo perdão por ter pensado e de forma infantil não ter enxergado seus olhos me fitando e dizendo “eu tenho mais filho”! Nossas manias de café solúvel são terríveis!

Espero diminuir minhas esquisitices religiosas, tentar ser menos SUPER-HOMEM e mais filho do que bastardo.

Agrinaldo Heps