O jeito mais simples

Me responda com toda a sinceridade, se houvesse apenas duas formas de resolver um problema, qualquer que fosse o seu motivo, qual forma você escolheria:

a) A forma mais fácil. Claro! Afinal nesse mundo tão acelerado e complicado, quem é que tem tempo para mais complicações?

b) A forma mais difícil. Desafios são sempre bem aceitos e as novas aventuras são sempre empolgantes.

E então, qual das duas opções seria a ideal para você? Qual delas te deixa mais animado? Algumas pessoas sem dúvida alguma, irão responder que a primeira opção é a melhor e que apenas um bobo optaria pela forma mais difícil, o que se resultaria em mais esforços, suor e dor de cabeça.

Uma outra possível resposta, daria conta da forma mais difícil, afinal, desafios nos movem a todo momento e sem eles, o que seria de nós? Meros, ambulantes procurando um motivo para viver? Não parece fazer muito sentido apenas sobreviver, não é mesmo?

E se eu te disser que ainda existe uma terceira opção: a de resolver as coisas pelo jeito mais simples. É isso mesmo, esse jeito varia muito, algumas vezes ele se aproxima do jeito mais fácil, porém, em outras condições ele fica mais próximo do jeito mais difícil.Tudo varia e está condicionado à sua forma de encarar as coisas. Por exemplo: você pode encarar uma decepção amorosa, mais conhecida como “PÉ NA BUNDA” das três formas:

A) A forma mais fácil- basta colocar a culpa em todas as pessoas que estão à volta, sem levar em consideração seus erros e burradas. E então, você volta à sua vida normal,fazendo mais do mesmo.

B) A forma mais difícil- apenas se isola do resto do mundo e lamenta profundamente o que aconteceu, sem levar em conta seus erros e também acertos, toma aversão à relacionamentos e pessoas e condena a raça humana,fechando com a clássica chave de ouro: “O ser humano não presta”.

C) A forma mais simples- você se retira por algum tempo, reflete sobre a sua postura e como ela de alguma forma pode ter influenciado o comportamento de outras pessoas. Analisa com calma as pessoas que fazem parte do seu círculo de convívio e busca nesta experiência algum resquício de aprendizado, ainda que doloroso. É a partir daí que novas ações deverão ser empreendidas.

Escolhi uma opção e agora o que devo fazer? Bem, agora é com você, suas atitudes é que moldam que você é e pretende ser um dia. Cada um de nós tem uma maneira de enxergar o mundo, mas temos que lembrar sempre, que essa maneira não é a única e muito menos a mais certa. Essa metodologia serve para qualquer tipo de relacionamento, seja ele afetivo, amoroso, familiar, etc.

Se todos nós optássemos por resolver nossos problemas da forma mais simples, a sociedade seria menos complicada.