Internet

Internet, você já foi fonte de conhecimento.

Lembra quando você tinha tantos artigos, tanta sabedoria, tanta coisa nova a ser ler e ver, quanto tempo não vejo um artigo sobre universo, sem que surja alguém pra brigar por conta de religião por determinado partido, política é bem maior que isso, tá!?

Suas imagens hoje em dia são propagadas de forma absurdamente rápida, pena que muitas são criadas com desinformação proposital, ou não, vai saber. Mas espere, dá pra saber, basta usar você, basta fazer pesquisas. Você tem o poder de alienar, isso não é coisa só de TV, e nos dois casos, vocês nem são culpadas, culpados somos nós que acreditamos na primeira coisa que vemos em vocês.

A necessidade de fazer parte, de receber visualizações, nos incentiva a repassar informações tão rápido quanto recebemos, quer seja real ou não.

Lembra de quando muitos não tinham voz, pena que alguns gritam alto demais! Sabe, gritar é bom, às vezes, só não use para abafar outras vozes.

Lembra quando a gente opinava alguma coisa em você, e rapidamente alguém com mais conhecimento chegava e te explicava, mostrava artigos e fazia você pensar como ela, ver pelos olhos dela, compreender e respeitar, era tão bom… Ok, também não lembro disso, uma pena.

Você não me dá tempo pra pensar, pensa por mim. Isso não é totalmente ruim, pena que quando estamos longe um do outro, me calo, fico sem argumentos, as pessoas não me reconhecem, nem eu me reconheço.

Às vezes fico com receio de falar pra você, com você ou em você, a sua linha de frente atira antes mesmo de eu levantar minha bandeira, tantas vezes estive errado, e nunca descobri isso, pois tive medo de expor meu erro, ou fui quadrado e orgulhoso demais para aceitar que estava errado. Afinal de contas, vi tantos outros fazendo, sinto pena deles sendo massacrados, humilhados, rebaixados a nada. Invocam outros grupos, aliados apenas para atacá-lo, as pessoas se esquecem de quando foram atacadas, como é ruim, e fazem o mesmo com a desculpa que as pessoas só aprendem assim. Esqueceram-se de tentar ensinar, pois ninguém escuta, ninguém lê, só falam e escrevem, atropeladamente, vence quem fala mais, quem xinga mais, quem fecha mais sua mente. Talvez algum dia as pessoas notem que não é porque se faz parte de um grupo, que obrigatoriamente você pensa e age como ele. Se as pessoas argumentassem de forma mais passiva, talvez conseguissem quebrar até a casca mais grossa de preconceito, machismo e afins, mas elas preferem atacar, preferem generalizar alguém, só porque ela pensa de uma forma errada. Dica: Não ajuda em nada xingar ou ser sarcástico com quem nunca recebeu a informação que você teve acesso, ele continuará sem a informação e com mais raiva, você acabou piorando o que combatia.

Por fim D. Internet, falta um botão de consciência, ou de bom senso, já seria bom, sempre que fosse fazer algo, teria que clicar e receber algumas informações “reais”, e um leve questionário para que fizesse nossa mente parar e pensar, se isso realmente importa, se isso realmente precisa ser dito/feito/publicado, e onde isso tem que ser feito.

Internet, pensei que você seria a fonte do conhecimento…